Alimentação Saudável

Ranking NiT: estes são os 5 piores sumos à venda nos supermercados

Em boa verdade, não há nenhuma boa opção. Mas algumas delas, como as que estão no nosso top negro, são verdadeiras catástrofes para o seu organismo.

Alguns sumos chegam a ter cerca de cinco pacotes de açúcar.

Estão por todo o lado: nos supermercados, nos cafés, nos restaurantes e até no cinema. Já para não falar de quando aparecem milagrosamente lá por casa. Já sabe do que estamos a falar? Dos sumos, está claro. Não é daqueles feitos em casa , mas sim dos que vêm em latas e garrafas, com desenhos giros e frases que nos convencem de que são as melhores opções.

“Agora com menos açúcares adicionados” — é uma das frases que se pode ler em vários refrigerantes. Em alguns desses casos, atualmente, chegam a ter cerca de nove gramas de açúcar por cada 100 mililitros. Ou seja, cerca de quatro pacotes de açúcar. Por isso, imagine a quantidade que tinha antes.

Para não errar quando vai às compras, o primeiro passo é olhar para a lista de ingredientes. É simples: “Caso exista algum componente que termine em “ose” ou “ois”, significa que para além do açúcar adicionado, o sumo também tem adoçantes”, explica à NiT Daniela Duarte, nutricionista e autora do blogue “Agita Kalorias“.

Contudo, segundo a especialista, o melhor é mesmo optar por consumir fruta de época. Assim, sabe o que está a beber e ainda tira proveito das vitaminas de cada fruta.

Se não consegue mesmo deixar de beber os sumos à venda nos supermercados, pelo menos deve tentar escolher os que têm menos açúcar. Para ajudar, a NiT fez um ranking com as piores opções, de acordo com os valores de açúcares simples.

Mas atenção: “Alguns sumos têm baixo valor energético, mas são carregados de adoçantes nada benéficos à nossa saúde”. Por isso, devemos estar atentos a todos os valores.

Carregue na imagem para conhecer os cinco piores sumos à venda nos supermercados, da opção com menos açúcar até à maior catástrofe da prateleira.

Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo