Alimentação Saudável

Perder 5 quilos em 15 dias é o que promete a dieta do chá verde

Não é uma dieta maluca, mas deve ter alguns cuidados. A NiT explica-lhe este método.

Mais uma dieta para a lista, mas esta não é maluca.

Entre os chás, o chá verde é aquele que é sempre falado quando o tema é emagrecer. Está carregado de antioxidantes e nutrientes com efeitos benéficos para o organismo. Portanto, já seria de esperar que alguém se lembrasse de criar uma dieta à base desta bebida. E assim foi.

Além dos motivos anteriores, o chá verde é considerado uma bebida saudável, podendo melhorar a função cerebral, aumentar a queima de gordura, promover a sensação de saciedade e melhorar a performance física. É visto ainda como uma forma reduzir o risco de cancro, Alzheimer, Parkinson, diabetes tipo dois e doença cardíaca.

Mas vamos ao que realmente quer saber: perder peso. Segundo a nutricionista Bárbara de Almeida Araújo, autora do blogue “Manias de Uma Dietista“, ao longo dos anos, várias investigações comprovaram o poder desta bebida. “É capaz de promover a queima de gordura e acelerar o metabolismo em três a quatro por cento”, diz.

O seu potencial termogénico deve-se, sobretudo, à presença de catequinas (antioxidantes) e cafeína — duas substâncias que atuam ao mesmo tempo.

“A cafeína já é conhecida por acelerar o metabolismo e promover a queima de gordura, quanto às catequinas, mais concretamente as epigalocatequinas-3-galato, parecem estimular a lipólise e regular a glicémia”, explica à NiT a especialista.

A folha milagrosa.

Quais são os principais benefícios da dieta do chá verde?

Tendo em conta as características do chá verde e a sua ação termogénica, a dieta do chá verde promete desintoxicar, reduzir o inchaço e acelerar o metabolismo. Como? Basta combinar a ingestão de chá verde com uma dieta equilibrada e baixa em calorias (até 1300 calorias por dia). O resultado é uma perda cinco quilos em 15 dias.

Descanse, não vai ter de passar fome para atingir esses valores. A NiT mostra-lhe um dia alimentar normal nesta dieta. No total, faz sete refeições.

— Jejum: uma chávena de chá verde;

— Pequeno-almoço: um copo de bebida vegetal misturado com uma colher de cacau e uma colher de sobremesa de farelo de trigo, mais duas tostas integrais e uma maçã;

— A meio da manhã: uma chávena de chá verde e uma pera;

— Almoço: salada de tomate e pepino, duas colheres de sopa de arroz integral, uma colher de sopa de lentilhas e um peito de frango grelhado;

— Lanche: cinco castanhas do pará e uma chávena de chá verde;

— Jantar: um prato de sobremesa de brócolos e couve flor, uma posta de peixe, duas colheres de arroz integral e meia banana com canela;

— Ceia: um iogurte e uma chávena de chá verde.

Uma chávena de chá verde faz maravilhas.

Esta dieta pode ser perigosa?

“O chá verde, sendo estimulante, pode interferir na qualidade do sono. Além disso, pode aumentar a pressão arterial, devendo ser consumido com precaução por pessoas hipertensas. Em excesso pode provocar gastrite e úlcera gástrica, e reduzir a absorção de ferro. Por isso, nestes casos, o ideal seria consumir o chá fora das refeições principais, sobretudo pessoas com anemia”, alerta à NiT Bárbara de Almeida Araújo.

No fundo, não se trata de uma dieta maluca, mas deve ter precauções. Pode começar por estar atento a estes possíveis sintomas, adaptando a dieta ao seu organismo.