NiTfm live

Alimentação Saudável

Como Joaquin Phoenix perdeu 23 quilos para entrar no papel de “Joker”

O ator de 44 anos garante que emagrecer tão drasticamente o afetou bastante, do ponto de vista psicológico.
O filme é visto como um dos grandes candidatos aos Óscares.

Não se fala de outra coisa: “Joker”, ou melhor, Joaquin Phoenix. O seu papel foi anunciado em julho de 2018 e em setembro do mesmo ano já estava filmar. Durante a preparação da personagem, o ator de 44 anos perdeu 23 quilos — um pedido do realizador Todd Phillips.

Depois da transformação drástica ter sido revelada no trailer e agora no filme, que chegou às salas de cinema portuguesas a 3 de outubro, muitas foram as alegações sobre o método que utilizou para conseguir emagrecer. O mais falado foi que Phoenix comia apenas uma maçã por dia.

“Não me alimentei com apenas uma maçã por dia. Também tinha, entre outras coisas, alface e feijão verde cozido a vapor”, desmentiu o ator numa entrevista que deu ao site americano “Access Hollywood”, a 20 de setembro, tentando travar qualquer tentativa de lançar a moda de uma dieta perigosa que, na verdade, já existe.

Em janeiro de 2018, a NiT falou sobre os perigos da dieta à base desta fruta. Apesar de todos os seus benefícios, entre eles o seu teor de fibra, vitaminas, minerais e antioxidantes, é um método que provoca perda de peso à custa de água e não de gordura, pelo que não é saudável.

Neste caso, há um plano específico para cada dia, sendo que no primeiro só pode comer maçãs. No segundo dia introduzem-se as verduras. Depois, ao longo dos restantes, pode adicionar-se carnes magras, lacticínios, verduras e outras frutas. 

Joaquin Phoenix, que interpreta Arthur Fleck, acabou com qualquer boato sobre ter perdido os 23 quilos desta forma. “Trabalhei com um médico de confiança que me orientou e foi responsável por controlar todo o processo”, contou à mesma publicação, à qual não quis revelar o método exato com que emagreceu, uma vez que é demasiado drástico.

O ator passou a pesar-se regularmente e muitas vezes sofria com os números que eram apresentados na balança, uma vez que não estava a alcançar os objetivos estipulados.

O antes e depois.

“O difícil é acordar todos os dias e estar obcecado por ter ganho mais um quilo. Certo? E começa-se a pensar que é um distúrbio. É uma loucura. Mas acho que o mais interessante para mim é o que esperava e previa com a perda de peso: sentimentos de insatisfação, fome, certo tipo de vulnerabilidade e fraqueza. Mas o que eu não previa era esse sentimento de tipo de fluidez que eu sentia psicologicamente”, revelou à “Associated Press”.

Charlotte Markey, professora de psicologia da Rutger’s University, que estudou distúrbios alimentares, comentou o caso na revista americana “Insider” e deixou um alerta: “Ninguém deve tentar reproduzir este método.”

E continua: “É problemático que alguém espere perder tanto peso tão rapidamente. Será prejudicial fisicamente e psicologicamente.”

A professora disse, ainda, que estar constantemente a pesar-se e tornar-se obsessivo com os resultados é um sinal de alerta de um distúrbio alimentar grave: “Sempre que se passa tanto tempo na balança ou se tem uma resposta emocional forte ao que se está a ver, isso é uma bandeira vermelha.”

O próprio ator reconheceu que limitar tanto a sua dieta fez com que sentisse que perdeu o controlo das suas ações durante os meses de filmagem. “Comer pouco afetou-me psicologicamente. Qualquer pessoa começa a enlouquecer quando se perde esta quantidade de peso em tão pouco tempo.”

Pode dizer-se que o realizador de “Joker” não ajudou propriamente nesta tarefa de construção da personagem. Como Joaquin Phoenix contou à imprensa internacional, Todd Phillips levava sempre um dos seus alimentos favoritos: pretzels, um pão de origem alemã. “Era realmente difícil conter o desejo de comê-los”, disse.

Perdeu 23 quilos para interpretar a personagem.

Afastou-se dos amigos por causa das restrições alimentares

Outra complicação normalmente associada à drástica perda de peso é a incompatibilidade de manter uma vida social normal. Isso também aconteceu com Joaquin Phoenix, que sentiu necessidade de planear todas as suas interações sociais tendo em conta as refeições, afastando-se dos amigos.

“Quando a comida começa a ocupar muito espaço mental, quando se começa a planear o que se está a comer ou não, esses são sinais”, comenta a professora universitária Charlotte Markey.

O ator, que já recebeu o Globo de Ouro de Melhor Ator de Comédia ou Musical em “Walk the Line” (2005), admitiu também que a dieta rigorosa afetou atividades básicas do dia a dia, como subir escadas, dificultando as filmagens.

Fadiga e dificuldade de concentração são outros dos efeitos colaterais relacionados com os processos de perda de peso drásticos ou distúrbios alimentares. Estar sempre com frio ou insónias também estão entre sintomas.

Segundo a mesma especialista, independentemente dos sintomas, os distúrbios alimentares podem ser extremamente perigosos, mesmo que não tenham efeitos visíveis no processo de perda de peso. Muitas vezes, pode refletir-se num ataque cardíaco ou outro problema cardiovascular que torna um distúrbio alimentar fatal.

“Não é possível prever em que momento isso se torna fatal, então, qualquer pessoa que enfrente isso deve obter ajuda imediatamente. É melhor prevenir do que remediar”, disse Markey.

Mas nem tudo foi mau, no caso de Joaquin Phoenix. O ator garante que a dieta extrema também o ajudou a desempenhar o papel de joker. “Sendo tão magro, senti que era capaz de mover meu corpo de maneiras que nunca consegui. E acho que realmente trouxe personalidade ao personagem”, disse ele na entrevista à “Access”.

Além das restrições alimentares,  Phoenix, de 44 anos estudou diferentes transtornos de personalidade e praticou o riso característico do Joker repetidamente. 

“Tive sentimentos contraditórios com o personagem quando li o guião e comecei a preparar-me para o papel. Foi um grande desafio. Não é um filme fácil. Interpretar o Joker às vezes é perturbador e desconfortável, faz-me sentir uma reação emocional muito forte”, explicou durante a estreia do filme no Festival de Veneza (onde ganhou o Leão de Ouro — Prémio de Melhor Filme).

Os meios de comunicação internacionais apontam “Joker” como candidato a todas as categorias dos próximos Óscares. O que é certo é que todos os filmes que incluem perdas de peso drástica têm arrecadado vários prémios, como é o caso de Jared Leto em “Esquadrão Suicida”, Chistian Bale em “The Fighter: Último Round” e Matthew McConaughey em “O Clube de Dallas. Portanto, pode começar a fazer as suas apostas para fevereiro de 2020.