NiTfm live

Alimentação Saudável

Existem dois tipos de molho de soja (e um deles é menos calórico)

A NiT e a nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida explicam-lhe todas as diferenças.
Não estamos a brincar.

Seja durante a confeção de pratos em casa ou para dar mais sabor à peça de sushi num restaurante, o que é certo é que o molho de soja faz parte da nossa vida. O que talvez não saiba é que existem dois tipos — e um deles é menos calórico. A nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida explica todas as diferenças.

Quando está a consumir molho de soja, pode estar perante o shoyu ou o tamari. O primeiro é o tradicional e é produzido através da fermentação de soja, trigo e outros cereais com sal. É da combinação destes três ingredientes que é possível extrair um líquido castanho escuro ou avermelhado que é fino e bastante salgado.

“Cada 100 mililitros do molho shoyu contém 53 calorias, oito gramas de proteína, 4,3 de hidratos de carbono, 0,6 grama de lípidos e 5493 miligramas de sódio”, diz à NiT a especialista.

O tamari — o outro tipo de molho de soja — é um subproduto da pasta miso. É mais espesso e também tem um sabor mais concentrado. Além disso, é uma alternativa menos salgada mas mais escura.

“Esta versão não contém trigo. Também por isso costuma ser isento de glúten, o que quer dizer que pode ser uma opção para doentes celíacos.”

De acordo com a também autora do blogue NiT “Loveat“, 100 mililitros do molho tamari representam 60 calorias, 10,5 gramas de proteína, 5,5 de hidratos de carbono, 0,1 grama de lípidos e 5586 miligramas de sódio.

No que diz respeito às diferenças, o molho tradicional contém menos calorias, assim como menos proteína e hidratos. O outro tem uma menor quantidade de lípidos e é, então, uma opção para os intolerantes ao glúten ou celíacos. Portanto, da próxima vez que for ao supermercado, procure no rótulo qual é aquele que está a comprar. No restaurante, o melhor é perguntar.

Qual será este?

Sabia que também existem dois tipos de canela?

Não estamos a brincar: existem mesmo duas versões. Porém, neste caso, as diferenças não são apenas visíveis nos valores nutricionais — um dos tipos de canela pode ser tóxico.

Tal como a NiT já explicou, a canela verdadeira, conhecida como a canela do Ceilão, é extraída da planta cinnamomum zeylanicum e é originária do Sri Lanka, Índia, Madagáscar e Caraíbas. É retirada da zona interna dos troncos e enrola-se em várias camadas, a cor é clara e produz um pó fino. O aroma e sabor são intensos.

O tipo de canela que foi descrito é aquele que pode utilizar nas suas receitas sem medos. No entanto, não é o único que está à venda no supermercado e para uso nos cafés. Existe a canela falsa (ou cassia) que é extraída da planta cinnamomum aromaticum. Ela provém da China, Vietname e Japão é conhecida como “a canela chinesa”.

A cassia tem uma cor um pouco mais escura do que a canela verdadeira. Se estiver a comprar pau de canela e verificar que ele se enrola apenas numa camada é porque está perante a canela falsa. Deve saber também que a sua produção é mais abundante e mais barata. Por isso, quando compra canela no supermercado o mais provável é estar a comprar cassia.

Mas há um problema: a canela falsa, quando consumida em excesso, pode ser tóxica, devido ao alto teor em cumarina — uma substância com propriedades anticoagulantes — na sua composição.

No caso da canela do Ceilão (a canela verdadeira), o teor é baixo (0,0004 por cento). Já na cassia, é mais elevado (um por cento). Aliás, tem 250 vezes mais.

Isto pode ser um risco, já que a ingestão excessiva de cumarina — mais de cinco gramas em pó — por longos períodos pode ser tóxica e perigosa para pessoas que tomam aspirina regularmente, irritar o estômago, agravar úlceras e aumentar a frequência cardíaca.

No entanto, ambas as canelas ajudam a controlar a diabetes. E atenção: não tem mal nenhum consumir a chamada canela chinesa (a falsa), desde que o faça com moderação, embora a do Ceilão seja considerada uma especiaria com mais benefícios e de melhor qualidade.

Da próxima vez que for ao supermercado, verifique a origem da especiaria para saber aquilo que está realmente a comprar.

Os dois tipos de paus de canela.