NiTfm live

Alimentação Saudável

O tempo que demora a comer pode ser a razão para não emagrecer

Existe um período específico desde que começamos uma refeição até nos sentirmos satisfeitos.
Vai querer saber isto.

Se come de forma saudável, de três em três horas, treina e, mesmo assim, não consegue perder os quilos a mais, é possível que esteja a cometer um erro simples que pode comprometer bastante os resultados. Estamos a falar do tempo que costuma demorar a comer cada refeição.

“Quando terminamos as nossas refeições diárias, muitas vezes ficamos com a sensação de enfartamento e o prato ainda nem chegou ao fim, ou, até pelo contrário, a sensação de saciedade nunca fica satisfeita mesmo quando chegamos até a repetir a dose da refeição, exagerando na quantidade ingerida”, diz a nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida, autora do blogue NiT “Loveat”.

Será que existem regras chave para nos sentirmos saciados depois de uma refeição? Quanto tempo deve durar a refeição para realmente nos sentirmos saciados? Antes de respondermos a estas questões, é importante ter noção do que significa a palavra saciedade.

“A saciedade é o sentimento de plenitude e a perda da sensação de fome por um período de tempo após cada refeição. Esta sensação ocorre devido a uma série de sinais enviados e trocados pelo organismo desde o momento em que colocamos um alimento na boca, até ao momento em que chega ao intestino e são absorvidos”, explica à NiT a especialista.

Como é que isto acontece? Pela experiência sensorial da aparência, cheiro, sabor e textura dos alimentos, assim como pela libertação de hormonas durante a digestão e absorção dos nutrientes, por exemplo.

Independentemente da sua forma, o sinal de saciedade é enviado após um período de, aproximadamente, 20 minutos — embora possa variar de acordo com cada pessoa. No entanto, este é o tempo mínimo geral que deve durar uma refeição, o que quer dizer que se almoçar em 15 minutos o cérebro ainda nem reconhece que já está a comer. Resultado: vai petiscar ou pedir uma sobremesa porque o prato não deixou a sensação de saciedade — isto significa também mais calorias, gordura e açúcar.

De acordo com Mafalda Rodrigues de Almeida, “uma pessoa que demore mais tempo a comer uma refeição e saboreie cada dentada, come em menor quantidade antes que os sinais cheguem ao cérebro. Por outro lado, não significa que passados aqueles 20 minutos já estamos automaticamente a comer demasiado. É muito importante saber ‘ouvir’ o próprio corpo”.

Por outras palavras, deve procurar saborear os alimentos e mastigá-los com calma; ter mais atenção ao tamanho das porções e adaptá-las às suas necessidades; variar nos alimentos e apostar em pratos coloridos; começar a refeição calmo e relaxado; e evitar distrações durante a refeição, como a televisão e o telemóvel.

Um estudo publicado no jornal “Applied Physiology, Nutrition and Metabolism”, 2014, por exemplo, explicou que comer a ver televisão aumenta a probabilidade de engordar. Há uma explicação: como o ato de ver televisão é uma atividade sedentária, ela faz com que as nossas escolhas alimentares recaiam sobre alimentos poucos saudáveis. Além disso, perde a noção do tempo, pelo que pode comer demasiado rápido.

Portanto, a tarefa que tem a partir de agora é acompanhar o tempo de refeição e mastigar mais devagar. Ao fazê-lo consegue sentir-se mais saciado e, consequentemente, ingere menos quantidade de comida. Neste caso, o truque é pousar os talheres entre garfadas e mastigar cada porção de comida que colocar na boca sete a dez vezes.

Aproveite e carregue na galeria para descobrir algumas dicas populares (e eficazes) para emagrecer — sem fazer dieta.