NiTfm live

Alimentação Saudável

Estudo revela que jejum intermitente diminui mesmo a gordura localizada

Este método é conhecido por ajudar a perder peso, reduzir a inflamação e restaurar os níveis de açúcar no sangue.
Leia isto com atenção.

O jejum intermitente consiste em intercalar períodos de jejum com períodos de alimentação. Na prática, o objetivo é fazer com que o corpo utilize a gordura que tem acumulada e que, consequentemente, haja uma perda de massa gorda. Este método tem sido associado a inúmeros benefícios, como a perda de peso, a diminuição da inflamação e até mesmo a reposição dos níveis saudáveis de açúcar no sangue.

Vários nutricionistas já disseram à NiT que, desde que feito com consciência, o jejum intermitente pode ser eficaz e seguro. No entanto, continuam a existir dúvidas. Por isso mesmo, uma equipa de pesquisa liderada pelos professores Annette Schürmann e Tim J. Schulz, do Instituto de Nutrição Humana, na Alemanha, decidiu fazer um estudo que desmistifica este método.

A investigação publicada na revista científica “Metabolism“, em julho deste ano, usou uma amostra de ratos que foi dividida em dois grupos. Um deles podia comer sem restrições (quando ou quanto quisesse). Já os participantes do outro grupo só podiam comer a cada dois dias. Este processo decorreu durante cinco semanas e os resultados mostraram que os ratos do segundo grupo tinham desenvolvido uma quantidade muito reduzida de gordura no pâncreas, ao contrário do primeiro.

No resultado final destacam também que os ratos obesos (e com diabetes) tendem a ter um aumento de células adiposas acumuladas no pâncreas, enquanto os ratos com excesso de peso e sem propensão a diabetes quase não têm gordura naquele órgão.

Segundo Schürmann, embora se saiba que as “acumulações de gordura fora do tecido adiposo, por exemplo, no fígado, músculos ou até mesmo ossos, têm um efeito negativo nesses órgãos e em todo o corpo, o impacto que as células de gordura têm dentro do pâncreas ainda não é clara”.

Os investigadores concluíram, ainda, que a acumulação de gordura no pâncreas pode ter um papel decisivo no desenvolvimento de diabetes tipo dois.

Depois do jejum, não pode comer em excesso nem muito pouco.

Os 4 erros mais comuns de quem faz jejum intermitente

Se quiser experimentar este método, saiba que requer alguns cuidados. É que podem ser facilmente cometidos alguns erros que coloquem em causa os benefícios do jejum. Saiba o que deve ou não fazer para ter sucesso.

1. Atenção à escolha da refeição que vai quebrar o jejum

“É muito importante comer os alimentos certos após o período de jejum. A fruta fresca e sumos de fruta são ricos em água e são facilmente digeridos. Os vegetais também são uma boa opção já que, além de possuírem poucos hidratos de carbono, fornecem nutrientes importantes. Também se pode incluir ovos, oleaginosas ou iogurte natural não açucarado”, como já explicou à NiT a nutricionista Bárbara de Almeida Araújo, autora do blogue “Manias de Uma Dietista“.

2. Cuidado com os alimentos que come depois disso

Optar por alimentos processados carregados de açúcar ou cereais refinados não só coloca em causa os benefícios do jejum como não garante a ingestão de nutrientes essenciais. Assegure-se de que está a ingerir gorduras saudáveis, proteína, hidratos de carbono complexos, fibra, vitaminas e minerais através de alimentos reais.

3. Não coma demasiado às refeições

Segundo a especialista, este é um erro que se pode cometer facilmente, sobretudo quando o corpo ainda não está habituado ao jejum intermitente. O que pode acontecer é comer de forma excessiva no período fora do jejum, já que vai ficar muitas horas sem comer. Resultado: estraga tudo. Por isso, deve ter muito controlo e cuidado.

4. Comer pouco também não é um bom princípio

“O jejum afeta as hormonas que regulam o apetite de tal forma que o corpo tende a habituar-se e deixa de sentir fome e, quando comemos, sentimo-nos saciados com menor quantidade de comida”, explica à NiT.

Isto pode ser prejudicial para a saúde em geral, havendo o risco de, a longo prazo, existirem carências nutricionais. Por isso, assegure-se que a sua ingestão calórica não é inferior a 1200 calorias.