Alimentação Saudável

Esta dieta de 21 dias é inspirada numa pequena aldeia italiana

O segredo da longevidade da aldeia mais saudável do mundo é a base para este método, que vem explicado no livro “A Dieta do Pioppi”.

A aldeia é a essência da dieta mediterrânica.

Somos constantemente aconselhados por médicos e nutricionistas a evitar vários alimentos por conterem demasiada gordura, açúcar ou calorias, bem como a exercitarmos o corpo para sermos mais saudáveis. Mas a verdade é que a obesidade e outras doenças não páram de aumentar a nível mundial. “Estaremos mesmo a seguir a direção correta em termos de estilo de vida e de alimentação?” — é esta a grande questão do livro “A Dieta de Pioppi“, que chegou às livrarias a 5 de fevereiro.

O novo livro (18,79€) questiona tudo aquilo que pensamos ser o melhor modo de vida e mostra o que é ser verdadeiramente saudável. Como exemplo, os autores do livro, o cardiologista britânico Aseem Malhotra e o realizador de documentários e antigo atleta irlandês Donal O’Neill, falam da pequena aldeia italiana Pioppi.

Fica no sul de Itália, a duas horas a sul de Nápoles, e é conhecida como a aldeia mais saudável do mundo. É habitada por 197 pessoas.

Segundo os autores, Pioppi é a aldeia onde as pessoas se esquecem de morrer porque têm um verdadeiro tesouro: o seu estilo de vida. Todas as tardes, todas as pessoas desta aldeia dormem uma sesta. Fala-se de uma “longevidade mediterrânica”.

A aldeia é um sossego.

No livro, os autores falam de um documentário que realizaram sobre a aldeia, que foi quando perceberam o quão especial era aquela forma de viver.

“O sossego da primeira noite que lá passámos foi como uma silenciosa bola demolidora contra os ambientes noturnos a que estávamos habituados. Sem ruído. Sem luz. Sem transtornos de espécie alguma. Apenas serenidade completa e idílica”, dizem.

A completa ausência de stress foi o que mais surpreendeu os dois autores. Não havia ginásios. Não havia supermercados, apenas o peixe que pescavam. No fundo, não havia problemas. No livro, contam que Pioppi é mesmo a essência da dieta mediterrânica. Aliás, há um museu dedicado a isso no centro da aldeia.

Lá não há ansiedade, problemas ou discussões. As pessoas descansam, vivem em equilíbrio, comem apenas alimentos naturais e focam-se na vida. É por isso que vivem até mais tarde. No primeiro capítulo, os autores contam que não queriam acreditar quando contaram que o homem que os serviu no bar tinha 85 anos.

Ao longo de “A Dieta de Pioppi”, da editora Vogais, é relembrado tudo aquilo que os especialistas dizem fazer mal e que não existe na aldeia: os alimentos processados, o açúcar, gordura saturada, colesterol, doença coronária e diabetes. Os autores ainda falam da contagem de calorias, do mito da atividade fisica na obesidade, stress e jejum.

Não há supermercados. Os habitantes dedicam-se à pesca.

Mas no que consiste, especificamente, a dieta?

Num segundo capítulo, são reveladas, finalmente, as linhas orientadoras desta dieta. Logo no início os autores ressalvam que inclui comida saborosa e tirar o foco do medo da gordura e substituí-lo pelo medo da resistência à insulina e da inflamação.