NiTfm live

Alimentação Saudável

Afinal, andámos a cortar mal abacate durante muito tempo (e de forma perigosa)

Há uma forma bem mais simples de fazê-lo em que não se arrisca a cortar um dedo.

Pois é, estávamos enganados (e a correr riscos desnecessários).

É recomendado pelos nutricionistas e faz parte do regime alimentar de quem pratica muito exercício físico. Porquê? Porque tem um valor nutricional incrível. É que ele é rico em gorduras boas, é uma ótima fonte de minerais e energia, ajuda a reduzir o colesterol e é um bom aliado de pele, olhos e cabelo. Estamos a falar, claro, do abacate.

Porém, é importante falar de quantidades. Apesar de toda a riqueza que concentra, não deixa de ser um fruto calórico. Para ter noção, 100 gramas de abacate significam cerca de 160 calorias. E esta é a dose recomendada por dia.

Se tiver este valor em conta, vai conseguir tirar proveito dos benefícios anteriores, segundo a nutricionista Bárbara de Almeida Araújo.

“O abacate ajuda a reduzir os triglicéridos, a regular o trânsito intestinal, pode ajudar a aliviar os sintomas de artrite, reduz o risco de síndrome metabólica e ainda previne o cancro”, explica à NiT a também autora do blogue “Manias de Uma Dietista“.

Não sabe escolher este fruto? Os melhores abacates são os mais pesados e firmes. Para saber se estão no ponto é só fazer uma ligeira pressão com os dedos, sendo próprios para o consumo apenas amadurecidos.

É preciso ter cuidado quando corta.

Mas há um lado mau

Não é bem um lado mau, tem é de ter cuidado. Porém, há uns meses surgiram várias notícias nos órgãos de comunicação sociais internacionais que diziam que o abacate estava a levar muita gente ao hospital. É que no Reino Unido e nos Estados Unidos, o momento em que se corta o abacate tornou-se um verdadeiro pesadelo. Porquê? Porque acabam com um dedo cortado. Como houve tantos casos, os médicos chamaram ao ferimento mão de abacate.

Em maio do ano passado, o antigo presidente da Associação Britânica de Cirurgiões Plásticos, Simon Eccles, contou ao jornal britânico “The Times” que recebia quatro pacientes por semana nas urgências.

“Tive de levar três pontos e perdi a maioria da sensibilidade no meu dedo. E quando estava no hospital havia uma mulher exatamente com a mesma lesão”, diz um paciente, de 29 anos, à mesma publicação.

Até a atriz Meryl Streep, em 2012, revelou que tinha tido um acidentes no momento em que cortou aquele fruto, quando questionada sobre o ferimento na mão. Portanto, não é um mal de agora. Mas também há boas notícias.