NiTfm live

Alimentação Saudável

A moda (inútil) de beber chá de cidreira para emagrecer

Faz parte da rotina de muitas pessoas pelos motivos errados. A nutricionista Mafalda Rodrigues da Almeida esclarece tudo.
Não é aliado na perda de peso.

Basta colocar “chá de cidreira” na caixa de pesquisa do Google para surgirem milhares de resultados que associam o consumo desta erva ao sucesso do processo de emagrecimento. “Como tomar o chá de erva-cidreira para emagrecer” ou “a dieta que emagrece 33 quilos combinando limão e erva-cidreira” são apenas dois deles. Porém, embora este chá tenha muitos benefícios, nenhum deles passa pela perda de peso.

A erva-cidreira — Melissa é o nome oficial — é originária de países à volta do Mediterrâneo e faz parte da família Labiatea. A planta é normalmente usada em infusões, sendo que os extratos e óleo têm fins terapêuticos em medicinas alternativas.

“Relativamente ao seu uso como aliado para a perda de peso, não há evidência científica que suporte os seus efeitos”, alerta a nutricionista Mafalda Rodrigues de almeida, autora do blogue NiT “Loveat”.

Segundo a especialista, o benefício dos seus extratos para a diminuição dos sintomas de stress e para a indução do sono, assim como para o alívio de inchaço e de flatulência associados a doenças gastrointestinais, são reconhecidos na Europa, pelo Committee on Herbal Medicinal Products. Refere, ainda, que para a maioria das pessoas a utilização de desta erva, exceto para crianças com menos de 12 anos, grávidas e lactantes.

“Apesar desta infusão não ter evidência para a perda de peso, alguns chás e infusões podem ser bons aliados para quem deseja emagrecer, entre eles os chás preto, verde e branco, a infusão de rooibos ou de hibisco.”

Portanto, quando ouve alguém dizer que esta bebida pode ajudar no processo de emagrecimento, é verdade — mas nem todos funcionam, pelo que pode estar a ingerir em excesso uma bebida que não lhe traz as vantagens que deseja.

Os chás que realmente podem ajudar quem quer perder peso

A primeira sugestão da nutricionista é o chá preto, que é produzido através da fermentação das folhas da planta Camellia sinensis. É rico em polifenóis, especialmente em taninos, que têm vindo a ser associados à diminuição da absorção gordura e a um melhor metabolismo lipídico (das gorduras), promovendo a perda de peso.

O chá verde é feito a partir das folhas da mesma planta do chá preto, porém, não é fermentado. É uma boa fonte de polifenóis com potenciais características antioxidantes e antimutagénicas.

“Alguns estudos têm demonstrado efeitos positivos na redução de peso, com redução da gordura abdominal, derivada dos efeitos das suas catequinas e da cafeína, incluindo o aumento da termogénese. Uma revisão sistemática e meta-análise de 2019 concluiu que em indivíduos obesos, o chá verde tem benefícios na diminuição de peso e ainda na diminuição do colesterol total. Ainda assim, a evidência não é forte”, diz à NiT Mafalda Rodrigues de Almeida.

O chá verde pode ser útil.

Outro potencial benefício do consumo de chá verde está associado à diminuição de fadiga, devido ao seu teor em cafeína. Mas, atenção: o consumo desta bebida em quantidades elevadas pode interferir com alguns medicamentos, entre eles os anti-hipertensivos e anticoagulantes. Em pessoas que sofram de ansiedade, o seu consumo também não é recomendado. 

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar diz, inclusive, que a ingestão de chá verde é segura para a adultos e idosos, numa dose entre 1,8 a 2,2 gramas de folhas de chá em 100 a 150 miligramas de água a ferver, entre três a cinco vezes ao dia.

O chá branco — conseguido também a partir da Camellia sinensis — é outras das propostas da autora do blogue NiT “Loveat”. É rico em catequinas que auxiliam na perda de peso e, em comparação com o chá verde, tem menos cafeína, pelo que será mais tolerado por pessoas mais ansiosas.

“A ingestão chá preto, verde e branco deverá ser feita fora das refeições, uma vez que pode interagir com a absorção de nutrientes como o ferro, o cálcio e o ácido fólico”, aconselha.

A infusão da planta de rooibos é muitas vezes associada ao processo de perda de peso e há razões para isso. Embora não hajam estudos em humanos, várias investigações têm demonstrado o seu potencial efeito na diminuição da formação de células adiposas, da acumulação de gordura e diminuição da absorção de gordura, devido à ação dos seus polifenóis.

Além disso, tem sido confirmada a sua ação na diminuição da glicemia da resistência à insulina, podendo ter benefícios no tratamento de Diabetes Mellitus. Porém, a especialista revela que a evidência ainda não é forte e são necessários mais estudos. 

Saiba que esta planta é isenta de cafeína, tem um teor muito reduzido em taninos e é rica em polifenóis e flavonóides.

O chá de hibisco tem benefícios no processo de perda de peso.

Outra infusão que pode ajudar no processo de emagrecimento é a infusão de hibisco. Estudos em animais, e alguns em humanos, têm demonstrado efeitos diuréticos e na diminuição da acumulação de gordura e de células adiposas, devido à ação dos componentes, como os flavonóides e as antocianinas.

O hibisco também está contraindicado para pessoas hipotensas, crianças, grávidas e lactantes.

“Os chás e infusões, além de serem bons aliados para a perda de peso, podem ser usados como estratégia para aumentar a ingestão de água. De forma a evitar a adição de açúcar aos chás e/ou infusões, prepará-los com a adição de um pau de canela e/ou uma casca de limão pode ser uma boa opção. Estes chás ou infusões podem ser bebidos quentes ou frios”, conclui Mafalda Rodrigues de Almeida.

No entanto, beber chá de cidreira não é a única tendência improvável para emagrecer do mundo fit. Carregue na galeria para descobrir as seis tendências mais insólitas de 2019, desde beber azeite em jejum a ingerir água com alho.