Alimentação saudável

É melhor comer fruta antes, durante ou depois das refeições?

A tradição manda comer depois. Muitos pais dizem aos filhos que deve ser antes. Mas afinal quem tem razão? A NiT esclareceu a dúvida com a nutricionista Marta Mourão.

Falar sobre fruta é sempre divertido por ser um tema ridiculamente controverso: por um lado é super saudável e devemos comê-la todos os dias, mas por outro há mil e uma teorias sobre quando é que a devemos comer: uns dizem que não deve servir como sobremesa (outros dizem que deve), uns dizem que devemos comê-la antes das refeições (outros negam esta teoria), há ainda quem diga que a devemos incluir (ou não) ao almoço ou jantar. Em que é que ficamos? Quando é que devemos comer fruta?

Tirando a primeira hipótese — que diz que a fruta é super saudável e deve ser consumida todos os dias — esqueça tudo o que já ouviu.

“Com a evolução de dietas e teorias associadas ao melhor regime para emagrecer, foram surgindo mitos sobre o consumo de fruta próximo das refeições principais, como aquelas que diz que a fruta tem muito açúcar por isso não deve ser consumida na refeição, ou que a fruta deve ser ingerida antes da refeição porque ajuda a reduzir a absorção de gordura, entre muitas outras”, começa por dizer Marta Mourão, nutricionista do Holmes Place com quem a NiT esteve à conversa sobre este tema.

A grande maioria das teorias que surgem não passam disso mesmo — teorias. Fruta é fruta e a qualquer hora do dia vai fazer sempre bem. A somar a isto, dependendo da altura em que a comemos, podemos ainda beneficiar de outros aspetos. Mas já lá vamos. Antes, é importante referir os quatro (e únicos) aspetos que, segundo Marta Mourão, devemos ter sempre em mente quando se fala de fruta.

1. A fruta é um alimento de uma “riqueza nutricional indiscutivel” rica em fibra, vitaminas e água.

2. “A sua riqueza em fibra contribui para que este alimento seja promotor de saúde, reduzindo o risco de doenças cardiovasculares, diabetes mellitus tipo II, cancro colo-rectal e melhoria do trânsito intestinal.

3. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda ao consumo de cinco peças de fruta por dia, sendo que a Roda dos Alimentos recomenda a ingestão mínima de três.

4. Por último e muito importante: “A quantidade de peças de fruta diárias deverá ser ajustada às reais necessidades nutricionais de cada pessoa”, destaca a especialista. Por exemplo: se está de dieta, não faz sentido ingerir as cinco peças de fruta diárias.

Agora que já leu a parte mais importante deste texto, vamos perceber, então, quais é que são as vantagens de consumir fruta em diferentes horas do dia.

Antes das refeições: ajuda a reduzir o apetite na refeição principal e, conjugado com a sopa, legumes ou leguminosas “reforça a ingestão de fibra que, irá contribuir para uma redução da absorção de gordura a nível intestinal”, explica Marta Mourão.

Durante a refeição: segunda a nutricionista, neste caso, pode optar-se pela ingestão de determinadas frutas com objetivos específicos, como para auxiliar no processo digestivo, no caso do ananás e papaia. Marta Mourão explica ainda que estas duas frutas podem ajudar a “amaciar as carnes” numa marinada, ou servirem até como acompanhamentos.

Após a refeição: como diz a especialista, “a refeição deve ser considerada finalizada com a sobremesa mais saudável que existe”, ou seja, com fruta. É importante sentirmos-nos saciados no final das refeições para, depois, não fazermos asneiras. A fruta “contribui para a redução de apetite por doce e, evitar que recorra a sobremesas calóricas no final da refeição”, diz.

A nutricionista deixa uma sugestão de sobremesa com fruta: laranja fatiada — mantendo a parte branca, que é onde está a maior parte da fibra — com canela em pó.

“Ajuda a saciar, é uma ótima fonte de vitamina C e a canela ajuda a conferir um sabor adocicado e a estabilizar os níveis de açúcar no sangue”, termina.