Televisão

Todos os empregados do Tomate foram embora depois do programa

Menos o pizzaiolo, Ivan, que agora passou para a cozinha. O restaurante de Espinho foi o mais recente protagonista de “Pesadelo na Cozinha”. Ljubomir Stanisic chamou “racista” ao dono. Edmundo Gomes diz que “ele pode ser um grande chef mas ser humano não”.

Durante as gravações, quando a equipa provou o novo menu

Foi a maior remodelação até agora: fachada pintada, sala redecorada, máquina de massas e máquina de lavar loiça novas, pratos Vista Alegre e uma horta reorganizada. “Pesadelo na Cozinha” passou pelo Tomate, em Espinho, em outubro e a sua intervenção foi mostrada este domingo, 16 de abril, pela TVI.

No campo da higiene, o restaurante foi o menos chocante até agora. O seu problema, explicava o proprietário, Edmundo Gomes, era outro: a falta de clientes. Aberto há 20 anos, o espaço não se atualizou, nunca mudou a carta e deixou de agradar aos clientes, cada vez com mais ofertas no mercado. No entanto, em termos de relacionamento, o Tomate foi dos mais difíceis para Ljubomir Stanisic. Numa entrevista dada à revista “Sábado”, o chef descreveu Edmundo Gomes como um “gajo que se achava o maior do mundo”. “Passei-me, queria matá-lo, espancá-lo”, disse. Tanto que terá dado um soco no frigorífico para não lhe bater — em vez disso, ter-lhe-á dado um abraço. Disse ainda que o dono do restaurante era “racista” e “má gente”. 

À NiT, Edmundo garante não entender de onde vem essa imagem. “Aliás, já tive aqui um paquistanês, fui eu que o legalizei em Portugal, e dois brasileiros”, garante.

Stanisic terá financiado parte da remodelação do próprio bolso e pedido à Vista Alegre a loiça que deixou no restaurante. Nada disso é agora usado. “Numa pizzaria onde o cardápio custa 12€, não podia ter uma baixela de 90€”, diz o dono do Tomate.

Mais do que as mudanças na carta, que não se mantiveram, foi a equipa que mudou completamente. Rui, o empregado de mesa, deixou o restaurante pouco mais de um mês após as gravações. Sónia, que lá trabalhava em part time, e Filipa, a cozinheira, fizeram o mesmo em janeiro deste ano. No Tomate apenas se mantém Ivan, que era o pizzaiolo e que agora está na cozinha.

O Tomate costuma fechar à segunda-feira mas esta semana abriu as portas para perceber o impacto do programa. A sala encheu e o restaurante até já tem reservas para o jantar. Menos de 24 horas depois da transmissão de “Pesadelo na Cozinha”, a NiT falou com Edmundo Gomes. Para perceber o que aconteceu ao restaurante nos últimos meses, leia a entrevista.

Viu o programa?

Não costumamos fechar ao domingo à noite mas ontem fechámos e vi aqui com uns amigos.

Gostou do que viu, acha que correspondeu à realidade?

Eu sabia aquilo que tinha acontecido, agora houve lá situações que foram exageradas.

Por exemplo?

Aquela comida que se vê numa travessa. O chef olha para aquilo com um certo desagrado e num contexto de falta de higiene dá a entender que está estragado.

Não estava?

Não, aquilo era a comida do pessoal feita à noite, eu nem faço nada assado aqui. Mas a associação que se faz logo, dada a má cara, é que será alguma coisa má. Eu, se soubesse que as coisas iam ser deste calibre… Aquela gordura que se vê no programa é numa zona que nós quase não utilizamos, é o grelhador, é o que menos se usa ali dentro.

Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo