NiTfm live

Televisão

“The Mandalorian” é a grande candidata para ser a série mais pirateada do ano

A produção de "Star Wars" é um dos grandes destaques da plataforma Disney+, que só foi lançada nos EUA, no Canadá e na Holanda.
A série é um exclusivo da Disney+.

Basta recuarmos uns anos para nos lembrarmos de como as coisas eram diferentes em relação à forma como consumimos televisão. Há dez, 15 ou 20 anos, era comum haver séries pirateadas a circular — fosse através de downloads ilegais ou de CD que eram passados de mão em mão (sem contarmos com os DVD vendidos nas feiras).

Isto acontecia porque havia muitas produções internacionais que não eram transmitidas na televisão portuguesa — e muitas das que passavam chegavam com vários meses (ou até anos) de atraso.

O panorama mudou com o crescimento das plataformas de streaming, que é bem recente em Portugal — a primeira a chegar, a Netflix, que é lider global do segmento, só foi lançada no final de 2015. 

O mercado cresceu e o público começou a aderir a estas plataformas — são relativamente acessíveis, poupam imenso trabalho e têm boa qualidade de imagem, entre outras vantagens. Esta é uma realidade não só portuguesa, mas internacional.

Em 2019, agora que a forma como consumimos conteúdos de televisão é diferente — e mais legal —, há um projeto que está em vias de se tornar a série mais pirateada do ano, como aponta a revista “Wired”.

Falamos de “The Mandalorian”, a primeira série em imagem real do universo de “Star Wars”, que é um dos grandes destaques da programação da recém-lançada plataforma de streaming Disney+, que está disponível desde 12 de novembro — mas só nos EUA, Canadá e Holanda, por enquanto. 

Esta terça-feira, 19 de novembro, vai ser lançada na Austrália e na Nova Zelândia. Contudo, a Disney+ só chegará ao mercado europeu a 31 de março de 2020, a países como o Reino Unido, Alemanha, França ou Espanha, num lote em que se espera que Portugal também esteja incluído, apesar de ainda não ter sido confirmado. 

Ou seja, existe um mercado global de milhões e milhões de espectadores que poderão muito bem querer ver “The Mandalorian” antes da estreia nos seus países. Este poderá ser o mesmo público que tornou, em 2015, “A Guerra dos Tronos” como a série mais pirateada de sempre, com centenas de milhares de downloads por dia — já que estreava primeiro nos EUA, e só depois no resto do mundo.

Porque é que “The Mandalorian” é importante?

Se ainda não ouviu falar assim tanto de “The Mandalorian” é porque, lá está, ainda não está disponível em Portugal. No entanto, esta é uma produção bastante relevante: trata-se da primeira série do universo de “Star Wars” em imagem real.

A primeira temporada tem oito episódios.

Foi criada por Jon Favreau, o autor da nova versão de “O Rei Leão” — que já é o filme mais visto de sempre em Portugal —, que trabalhou de perto com George Lucas, o responsável pela saga de ficção científica.

A primeira temporada tem oito episódios e um elenco com Pedro Pascal, Kyle Pacek, Brendan Wayne, Tait Fletcher, Bernard Bullen, Alexandra Manea ou Werner Herzog, entre outros.

A história foca-se, como o nome indica, num guerreiro Mandalorian — uma espécie de novo Boba Fett —, que é um caçador de recompensas. Pedro Pascal interpreta o protagonista que tem como missão recuperar vivo (ou assassinar) um misterioso e importante alvo. Só que quando descobre quem — e como — é, o Mandalorian muda de objetivo e passa a querer protegê-lo.

O enredo acontece nas zonas mais remotas da galáxia muito, muito distante — numa época entre a trilogia original e a mais recente, cujo terceiro e último filme, Star Wars: Episódio IX — A Ascensão de Skywalker, estreia já a 19 de dezembro nos cinemas. 

A história passa-se depois da derrota do Império e antes da ascensão da Primeira Ordem, numa altura em que a Nova República não tem grande autoridade nas zonas em que esta série se passa.

Ao contrário do tom mais juvenil e alegre desta trilogia mais recente, “The Mandalorian” tem sido descrita como tendo uma perspetiva mais adulta e obscura sobre aquela realidade, mesmo que também inclua momentos cómicos. 

As difíceis relações entre as várias espécies da galáxia, os criminosos e mercenários, a frágil situação económica ou a crueldade entre seres são alguns dos temas (e realidades) retratados em “The Mandalorian”.

Todos os elementos de “Star Wars”, que fizeram com que tantos fãs fossem conquistados, estão lá: desde os droides à biodiversidade alienígena, passando pelas naves espaciais. Por cá, vamos ter de esperar pelo menos até 31 de março para ver tudo — e mesmo assim não está confirmado.

Leia ainda o artigo da NiT que lhe diz quanto vai gastar se em 2020 quiser subscrever todas as plataformas de streaming (e canais) do mercado.