NiTfm live

Televisão

A nova série da Netflix conta a história da primeira afro-americana milionária

"Madam C. J. Walker: Uma Vida Empreendedora" chegou à plataforma de streaming a 20 de março.
Octavia Spencer está no papel principal.

Madam C. J. Walker: Uma Vida Empreendedora” é a nova série da Netflix, que chegou à plataforma de streaming a 20 de março. Inspirados na história real de Sarah Breedlove, os quatro episódios contam o percurso daquela que é considerada a primeira mulher afro-americana a tornar-se milionária por mérito próprio nos Estados Unidos.

Octavia Spencer interpreta a personagem principal, uma empreendedora do ramo da cosmética que ultrapassa preconceitos raciais e de género para construir um império que revolucionou o mundo dos cuidados para cabelo dos afro-americanos.

A história dramática de Sarah Breedlove é também extremamente inspiradora. Filha de pais escravos, nasceu em 1867 no estado do Louisiana e tornou-se orfã com apenas sete anos. Aos 14 casou-se com o primeiro marido e passou os 21 anos seguintes anos a esfregar roupa, toalhas e lençóis numa lavandaria, altura em que o seu cabelo começou a cair. Foi aí que conheceu Annie Turnbo Malone (Carmen Ejogo), uma empresária que mudou completamente o rumo da sua vida.

Annie vendia um produto chamado Wonderful Hair Grower, uma mistura com componentes especiais que ajudava os fios a ficarem mais saudáveis e a crescer. O problema era generalizado no início do século XX: a esmagadora maioria das casas não tinha canalizações, fazendo com que lavar regularmente o cabelo — ou mesmo o corpo — fosse praticamente impossível. Como para muitas outras mulheres da época, a queda de cabelo de Sarah Breedlove era provocada pelo excesso de sujidade e piolhos.

Depois de deixar a lavandaria para se tornar vendedora do produto de Annie Turnbo Malone, Breedlove decidiu criar a própria receita, a que chamou Madam C. J. Walker’s Wonderful Hair Grower, nome que dedicou ao seu segundo marido, Charles Joseph Walker. Começou a trabalhar por conta própria, vendendo porta a porta, até criar um serviço de envios por correio e o negócio começar a crescer, altura em que contratou outras mulheres e as ensinou a vender o produto — tal como Annie havia feito com ela.

A escravatura foi apenas abolida nos Estados Undos em 1865, mas a cultura no país ainda estabelecia vincadas barreiras raciais no início do século XX. Um dos maiores desafios para qualquer empreendedor afro-americano era ultrapassar os preconceitos sociais e conseguir competir livremente com as empresas operadas pelos brancos. A questão é que estas empresas tendiam a ignorar as necessidades específicas dos negros, sendo uma delas os cabelos afro, frisados, com muito volume e características diferentes daquelas que os produtos no mercado tentavam resolver. E foi aqui que Breedlove encontrou uma oportunidade para vingar.

A sua única filha, A’Lelia Walker (Tiffany Haddish), ajudou-a a desenvolver a empresa. À medida que o seu império foi crescendo, Madam Walker envolveu-se em filantropia e ativismo, defendendo os direitos dos afro-americanos e lutando por causas sociais.

Apesar de ser recordada no país como a primeira mulher negra a tornar-se milionária por mérito próprio, a verdade é que os historiadores desmentem este estatuto e afirmam que houve outras empreendedoras a conseguir o mesmo feito antes, mas que tentaram esconder o seu sucesso, para evitar reações negativas da população branca e para não se tornarem vítimas de atos violentos.