NiTfm live

Televisão

“Good Omens” é a série da Amazon que está a irritar milhares de cristãos

Foi lançada uma petição para cancelar a produção, mas o grupo que a escreveu enganou-se no apelo e dirigiu-o à Netflix.
A série estreou a 31 de maio.

Escrito por Neil Gaiman e Terry Pratchett em 1990, o livro de fantasia “Good Omens” chegou este ano à televisão — ou ao streaming, vá. A minissérie de seis episódios estreou na Amazon Prime a 31 de maio e está a causar bastante polémica junto de milhares de cristãos.

David Tennant interpreta o demónio Crowley, já Michael Sheen é o anjo Aziraphale. Juntos, numa aliança improvável, vão tentar impedir o apocalipse. Tudo porque estão habituados às suas vidas confortáveis em Inglaterra. O elenco tem ainda Jack Whitehall, Michael McKean, Jon Hamm, Miranda Richardson e Adria Arjona. Esta é uma história cómica e satírica, o que não tem sido bem recebido por algumas comunidades mais conservadoras.

É o caso do grupo americano Return to Order, que lançou uma petição online a apelar para que a série seja cancelada — já conta com mais de 20 mil assinaturas.

O problema é que o pedido foi dirigido à Netflix — sendo que a série, que também é produzida pela BBC, é da plataforma de streaming concorrente, Amazon Prime. Entretanto, a petição foi corrigida e o pedido foi feito aos responsáveis certos.

O grupo cristão apontou vários problemas ao projeto, incluindo “gozar com a sabedoria de Deus”, e questionou porque é que era uma mulher a fazer a voz de Deus. Na série, Frances McDormand ficou com essa tarefa.

Além disso, acusaram “Good Omens” de “apresentar os demónios e o satanismo como algo normal e até bom” e que este era mais “um passo para que o satanismo pareça aceitável e algo leve”.

Neil Gaiman, um dos autores da história e showrunners, respondeu à petição no Twitter. “Adoro que eles escrevam à Netflix para tentar que ‘Good Omens’ seja cancelada. Diz tudo, na verdade.”

Na mesma rede social, a conta da Netflix para o Reino Unido e a Irlanda comentou ironicamente sobre o assunto. “Ok, prometemos não fazer mais.”

Depois, foi a vez da conta americana Amazon Prime se juntar à brincadeira. “Olá, Netflix. Vamos cancelar ‘Stranger Things’ se vocês cancelarem ‘Good Omens’.” Tudo porque “Stranger Things” é uma produção da Netflix, claro.

O jornal “The Guardian” diz que o grupo Return to Order tem um histórico de petições contra “blasfémias”. Uma vez lançaram uma pedido para acabar com uma marca de gelados chamada Sweet Jesus.

O filme “Office Christmas Party”, alguns objetos de casa de banho com o rosto de Jesus, a série do AMC “Preacher” e o jogo Cards Against Humanity foram outros dos alvos desta comunidade americana cristã.