NiTfm live

Televisão

Almoçámos na Apple House: não havia baratas, mas Júlio chegou a meio da refeição

Os hambúrgueres e as pizzas estavam bons, embora a cozinha não esteja diferente daquilo que vimos em “Pesadelo na Cozinha”.
O espaço está renovado.

Não foi difícil encontrar a Apple House, o restaurante em destaque na estreia da terceira temporada de “Pesadelo na Cozinha” (que foi transmitida este domingo, 1 de dezembro, na TVI) — até por causa da pintura que o designer e tatuador Hugo Makarov, amigo do chef Ljubomir Stanisic, deixou na parede do espaço.

Fica na Rua Elias Garcia, entre o Campo Pequeno e o Saldanha, em Lisboa. A NiT chegou alguns minutos antes das 13 horas de uma quarta-feira e o espaço estava praticamente vazio. Fomos atendidos por Iris, a nova empregada de mesa brasileira do espaço (que lá trabalha há um mês e meio), depois de Lorena se ter despedido — segundo o dono, Júlio Gomes de Sousa, porque ficou “traumatizada” com as coisas que Stanisic lhe disse.

O espaço está exatamente como a produção da Shine Iberia Portugal, responsável pelo formato, o deixou. Tem mais luz, as mesas e cadeiras foram arranjadas, os encostos dos sofás agora estão azuis e as paredes (que têm barras de madeira) foram pintadas. Tem uma apresentação mais moderna e, ao mesmo tempo, acolhedora.

Ainda assim, são notórios alguns sinais de desgaste da Apple House, que antes se chamava Big Apple e que foi inaugurada há 40 ou 50 anos — ninguém sabe exatamente quando. O próprio Júlio admitiria mais tarde à NiT: “Esta casa está velha e toda partida”. Há pequenos buraquinhos nalgumas zonas do chão, o resultado de muitos anos sem obras estruturais e significativas.

Sentamo-nos na mesa do canto, perto da entrada, a duas mesas de onde Ljubomir Stanisic se sentou pela primeira vez para provar as especialidades da Apple House — ficámos na mesa onde no programa ficou Carlos, amigo de Júlio, cliente da casa e organizador dos quizes (que foram retirados por Stanisic e que entretanto regressaram).

Não passámos guardanapos para perceber se a zona dos sofás estava mais limpa — e na verdade Júlio acusou a produção de ter causado a sujidade quando montou as câmaras —, mas a olho nu a sala parece asseada e num estado normal.

Ao contrário do que acontecia antes da intervenção de “Pesadelo na Cozinha”, o balcão também está mais livre de objetos desnecessários, o que faz com que tenha um aspeto muito melhor.

Stanisic remodelou completamente a carta do espaço — tirando imensos pratos que Júlio foi introduzindo ao longo dos seis anos em que ali está, numa tentativa de agradar a todo o público possível.

O balcão parece mais organizado.

Em conversa com a NiT, Júlio Gomes de Sousa diz que tentou cumprir as mudanças impostas por Stanisic. Recorda que o chef diz que os restaurantes de “Pesadelo na Cozinha” falham depois do programa porque não adotam as alterações definidas por si, então está a fazer um esforço para implementar a maior parte das coisas — mas houve algumas que não conseguiu deixar passar.

Júlio explica que, depois de a equipa do programa ter saído do restaurante, a 21 de setembro, a clientela habitual deixou de ir tantas vezes à Apple House por causa das alterações de Stanisic. Explica que as dívidas aumentaram ainda mais, então teve de reverter algumas coisas.

É isso que constatamos quando chegamos à Apple House, que logo na porta tem um quadro de ardósia onde está escrito o prato do dia — é feijoada à brasileira. Stanisic tinha acabado com os pratos do dia, mas Júlio explica que os clientes regulares dizem que não podem comer hambúrgueres ou pizzas diariamente.

Para manter a tradição da casa, o grande foco da ementa manteve-se nos hambúrgueres e nas pizzas. A carta já não tem o ceviche à moda de Júlio nem as francesinhas — as criações do dono da Apple House, como os hambúrgueres Nova Iorque e Mariachi (que os clientes pedem que regresse à carta), também já não estão lá.

Agora há os hambúrgueres deixados por Ljubomir — cujas combinações Júlio até apreciou — e as pizzas, além de alguns complementos. Também servem o gnocchi com natas trufadas, lascas de parmesão e manjericão que Stanisic deixou.