NiTfm live

Teatro e exposições

Terrus: o museu francês que tem mais de 80 quadros falsos

Abriu em 1994, em Elne, França, e é dedicado ao pintor Étienne Terrus. Descobriu-se agora que mais de metade das obras não podiam ter sido realizadas pelo artista.

Será que este edifício já existia?

Quase 25 anos depois da inauguração, descobriu-se que mais de metade das obras de um museu em França são falsas. Terrus, dedicado ao pintor Étienne Terrus, que morreu em 1922, abriu na cidade de Elne, em França, em 1994. Agora estavam a ser feitas obras no edifício quando um historiador de arte suspeitou da autoria de alguns de quadros.

Segundo o jornal “Público”, que cita a agência EFE, em várias das paisagem desenhadas pelo artista encontram-se edifícios que apenas foram construídos depois da sua morte. Uma comissão de especialistas analisou todas as obras do museu e confirmou que 82 não podiam ser atribuídas ao artista — ou seja, mais de metade do total que ali pode ser visitado.

Mais de 80 obras do museu são falsas.

Durante os últimos 20 anos, a autarquia de Elne comprou pinturas, aguarelas e desenhos do pintor para compor o museu. Apresentou agora uma denúncia por falsificação e afirma que tem mais de 160 mil euros de prejuízo.

“Ponho-me no lugar dos visitantes que pagaram uma entrada e que viram obras falsas. É inaceitável”, afirma Yves Barniol, o presidente do município, à rádio France Bleu. Étienne Terrus nasceu em 1857 na região da Catalunha, mas viveu durante muitos anos em Elne, cidade onde acabou por morrer. Estudou também em Paris onde se tornou amigo do pintor Matisse.