Teatro e exposições

Carpintarias de São Lázaro recebem exposição de Alfredo Jaar

“Shadows” vai estar em exibição de 20 de maio a 3 de setembro. Este é o segundo trabalho do artista chileno e baseia-se numa imagem do fotógrafo holandês Koen Wessing. 

Alfredo Jaar vive atualmente em Nova Iorque e foca-se em trabalhos que denunciam os problemas globais.
"Shadows" o nome do segundo trabalho de Alfredo Jaar após "The Sound of Silence" em 2006.
O projeto é baseado numa fotografia do fotógrafo holandês Koen Wessing.

No sábado, 20 de maio, é inaugurada a exposição “Shadows”, de Alfredo Jaar (não confundir com o filho Nicolas Jaar) nas Carpintarias de São Lázaro, em Lisboa. O projeto vai estar em exibição até 3 de setembro e é o segundo da carreira do artista chileno.

O trabalho baseia-se em várias imagens do fotógrafo holandês Koen Wessing que em 1978, em Esteli, na Nicarágua, assistiu a um evento que acabaria por ficar capturado na lente da sua câmara: a morte de um homem não identificado após uma disputa com as forças da guarda nacional do ditador Anastasio Somoza Garcia. Após este momento, Wessing também fotografou o desespero da família.

Tendo este ponto de partida, Alfredo Jaar apresenta um conjunto de sete fotografias que ajudam a contar todos os momentos da história de 1978.

Atualmente a trabalhar e a viver em Nova Iorque, este é o segundo trabalho de uma trilogia que se iniciou em 2006 com “The Sound of Silence”, que denunciava o poder dos regimes fascistas.

O artista concentra-se, sobretudo, em retratar as várias injustiças presentes no mundo através da exposição de imagens ou a reposição de objetos do quotidiano.

“Shadows” está presente no espaço de Lisboa de quarta-feira a sábado, das 15 horas às 19 horas. A entrada é gratuita.

Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo