Exposições

Viseu volta a encher-se de Jardins Efémeros

Música, cinema, oficinas de pintura, exposições e animação em todo o lado, até em edifícios abandonados.

Que coisa linda.

A partir desta sexta-feira, 7 de julho, espetáculos de música, cinema e teatro, oficinas de pintura e exposições de arquitetura, vão encher a mesma cidade, ao mesmo tempo. Estas são apenas algumas das atividades gratuitas que acontecem durante a 7.ª edição do Jardins Efémeros no centro histórico de Viseu até 16 de julho.  

A produção cultural que se tornou marca da cidade começa hoje, dia 7, e tem como objetivo potenciar a relação entre todos os envolvidos com a cidade — não só habitantes, mas também associações locais, artistas e empresas.

Os espaços vão ser aproveitados ao máximo: capelas, jardins, praças ou a própria Sé da cidade. Este fim de semana pode assistir a sessões de música no interior da catedral de Viseu e do claustro, sítio onde vai atuar a compositora canadiana de música eletrónica e eletroacústica Sarah Davachi, e a dupla Murcof & Vanessa Wagner a apresentar o albúm “Statea” lançado o ano passado.

No fim de semana a seguir (14 e 15 de julho) o compositor americano William Basinski vai marcar presença para apresentar a sua mais recente obra “A Shadow In Time” com uma peça dedicada a Bowie. 

Na área da arquitetura, uma das propostas do evento é uma instalação denomidada “Tília” do arquiteto João Loureiro em colaboração com Rafael Gomes. Vai poder vê-la no interior do Claustro da Catedral de Viseu, no adro da Igreja da Misericórdia e no largo Gata. 

Para sensibilizar a população para a reabilitação física e humana do centro histórico de Viseu, a rua Direita vai encher-se de arte em várias lojas tradicionais e espaços desabitados. A organização de Jardins Efémeros, explica: “Os espetáculos, exposições e atividades, culturais e educativas a que nos propomos têm como objetivo sensibilizar a população e os visitantes para a cidadania e valorização do património, respeitando-o profundamente.”