NiTfm live

Cinema

A história real e insana por detrás do filme “American Animals”

Estreia em Portugal esta quinta-feira, 13 de setembro. Quatro universitários fazem um assalto insólito e acabam presos.

Evan Peters é um dos protagonistas.

Esta é uma daquelas histórias reais que parece que foram escritas para um filme, de tão surreais que são. Daí que “American Animals” estreie esta quinta-feira, 13 de setembro, nas salas de cinema portuguesas.

A história real em que se baseia aconteceu em 2005. Quatro universitários de classe média pensaram num esquema para roubar livros raros, no valor de milhões de dólares, que estavam na biblioteca de uma faculdade.

“Várias pessoas tomam más decisões quando são novas e nada acontece por causa desses erros”, disse um dos quatro homens, Spencer Reinhard, à revista “People”. “No nosso caso, escolhemos algo um pouco mais extremo e tivemos de lidar com as consequências.” As pessoas retratadas são entrevistadas no filme, assim como alguns dos seus familiares.

Como tudo começou

Ninguém sabe exatamente o que se passou para que este grupo fizesse este assalto. Daí que “American Animals” mostre diferentes perspetivas do que aconteceu para ser o mais fiel possível à realidade. Certo é que foram Reinhard (Barry Keoghan), um artista introspetivo, e Warren Lipka (Evan Peters), o seu antigo colega brincalhão, que começaram tudo.

Quando Reinhard entrou na Kentucky’s Transylvania University, foi apresentado aos livros raros na Special Collections Library. A pequena escola de artes tinha alguns dos livros mais valiosos do País, incluíndo “Birds of America”, de John James Audubon, que valia cerca de 12 milhões de dólares.

Apesar disso, a segurança era mínima. Consistia, basicamente, numa vitrine em acrílico, e numa bibliotecária de meia-idade chamada Betty Jean Gooch (Ann Dowd). Pensaram que seria um alvo fácil. Quando Reinhard esteve outra vez com Lipka, que estudava numa outra faculdade lá perto, falou-lhe desta biblioteca com tesouros (mal-guardados) em vitrines.

A equipa (e o plano)

Parece ficção, mas não foi mesmo. Reinhard e Lipka perceberam que precisavam de ajuda e recrutaram para a equipa do assalto Charles “Chas” Allen II (Blake Jenner), um desportista que já era um empreendedor com algum sucesso, e Eric Borsuk (Jared Abrahamson), que sonhava juntar-se ao FBI. Sem qualquer experiência num golpe destes, os quatro viram várias vezes filmes como “Ocean’s Eleven — Façam as Vossas Apostas” e “Cães Danados”.

Gostaram tanto do filme de Quentin Tarantino que adotaram os nomes de código daquelas personagens. Mr. Green era Reinhard, que ficaria a vigiar enquanto o golpe acontecia, Mr. Yellow era Lipka, que, apesar de estar relutante, tinha de travar a bibliotecária de fazer alguma coisa que impedisse o plano. Já Mr. Black (Borsuk) teria a tarefa de carregar os livros pesados e Mr. Pink (Chas) era o condutor do carro de fuga.

O plano era simples: iam entrar durante o dia como visitantes mascarados de homens idosos. Depois de perceberem que não conseguiriam tirar a senhora Gooch da equação de uma forma não violenta, decidiram que a melhor forma seria eletrocutá-la com um taser e deixá-la inconsciente enquanto faziam o roubo. Depois, a ideia seria fugir com os livros por uma saída das traseiras que existia na cave do edifício.

A parte mais complicada era vender os livros no mercado negro, mas supostamente Lipka tinha feito alguns contactos e assegurou ao grupo que tinha compradores interessados na Europa. Reinhard até lhe pagou uma viagem à Holanda, onde supostamente se encontrou com alguns negociantes de arte do mercado negro — mas os restantes membros do grupo confessaram depois que duvidavam que Lipka tivesse feito a viagem.