NiTfm live

Cinema

“Era divertido voltarmos a interpretar o Fred e o George numa série de comédia”

A NiT entrevistou os atores James e Oliver Phelps, que na saga de “Harry Potter” interpretam os gémeos Weasley.
Os gémeos têm 33 anos.

Tinham apenas 14 anos quando certo dia faltaram à escola para irem a um casting. A ideia tinha sido da mãe mas os gémeos James e Oliver Phelps não se importaram de não ir às aulas durante um dia — só que esse casting acabou por mudar toda a vida deles.

Os irmãos Phelps conseguiram os papéis para interpretar os gémeos Fred e George Weasley na saga de “Harry Potter” — são os irmãos de Ron Weasley que mais participam na história, e estiveram presentes ao longo dos anos. 

Na apresentação da exposição da saga em Lisboa — que é inaugurada este sábado, 16 de novembro, junto do Pavilhão de Portugal — a NiT falou com os dois atores, que têm sido embaixadores desta mostra desde o arranque. Leia a entrevista.

Como tem sido apresentar esta exposição em todo o mundo?
Oliver Phelps: Tem sido a melhor coisa de sempre, porque podemos ver todos os fãs, podemos ver todos estes adereços de novo, os figurinos, o entusiasmo, e podemos viajar pelo mundo com isto. De alguma forma, conseguimos continuar com isto durante 11 anos. E é incrível, adoro.
James Phelps: E a empresa paga tudo.
O: Provavelmente é o mais importante, sim [risos].

Sentem que vão ser sempre associados a estas personagens?
O: Provavelmente, sim.
J: Acho que sim, e não tenho nenhum problema com isso, porque eles foram ótimas personagens para interpretar, e não há muitas sagas melhores do que “Harry Potter”. E é incrível quando as pessoas vêm à exposição — no início eu pensava que só iam querer ver as coisas do Harry, mas os fãs são mesmo apaixonados por outras personagens e com sorte o Fred e o George também encaixam nessa categoria.

Gostariam de voltar a interpretar estas personagens, de alguma forma?
O: Acho que seria divertido, um dia. Talvez não para já, mas voltar a fazê-lo durante algum tempo. Fazer coisas como estas é bom porque quase que o voltas a fazer, mas não exatamente.

Como é que imaginam que fosse possível isso acontecer?
O: Não sei, talvez uma série de comédia sobre os Weasley. Acho que seria um spinoff com muito sucesso.

Se não tivessem ido àquele casting em 2000, o que acham que estariam a fazer neste momento?
O: Seria muito mais aborrecido, não?
J: Não faço qualquer ideia, zero mesmo. Só tínhamos 14 anos, eu não fazia ideia do que queria fazer. Simplesmente caímos naquilo e continuámos, continuámos e cada vez nos divertimos mais.

São embaixadores da exposição desde o início.

Vocês já eram fãs da história antes do casting?
J: Sim, tínhamos lido os primeiros três livros. E acho que o quarto tinha acabado de sair quando fomos ao primeiro casting. Não diria que éramos fanáticos, mas tínhamos gostado dos livros. E era fixe que soubéssemos para onde é que a história iria. E como somos gémeos obviamente identificávamo-nos com aqueles gémeos, por isso foi divertido de os interpretar a seguir.

Quem teve a ideia para irem ao casting?
O: Foi a nossa mãe, uma amiga dela tinha-lhe falado do casting. Uma noite, antes de irmos para a cama, ela disse: gostavam de ir a um filme para a semana? Quando é que é? Quinta-feira. Bem, eu tenho Música, Matemática, Ciência… sim, vamos. Por isso fomos a um casting como família, faltámos à escola, e foi a melhor decisão que já tomámos.

Quando é que foi o momento em que perceberam que isto era algo mesmo sério, que ia durar anos, no fundo, que ia ser a vossa vida?
O: Provavelmente no terceiro filme. Porque no início já sabíamos que íamos fazer dois filmes. E no terceiro havia mais interesse à volta, mais pessoas envolvidas, e nós também fomos crescendo e percebendo mais sobre a indústria. Percebemos que estávamos numa montanha-russa: vamos apenas segurar-nos e aproveitar.

De que é que têm mais saudades?
O: Pintar o cabelo. Não, estou a brincar [risos].
J: Acho que é da camaradagem entre todos quando estávamos a filmar. Fizemos amizades muito fortes. É como quando vais para a escola ou para a universidade, fazes grandes amizades. Tenho saudades de ter isso todos os dias, mas ainda mantemos o contacto.

Organizam jantares de grupo?
O: Às vezes, se estivermos na mesma cidade ou algo assim, encontramo-nos — não para algo tão formal como jantar, mas vamos ao pub ou jogamos golfe. Para nós é só encontrarmo-nos com os nossos amigos, mas as pessoas olham para nós e pensam que vamos filmar, ou algo do género.

Já que os filmes terminaram há alguns anos, e vocês cresceram, sentem que são menos reconhecidos na rua?
O: Não muito… quer dizer, o cabelo ajuda.
J: Sim, porque não temos cabelo ruivo, na verdade. Mas se eu usar um boné, as pessoas reconhecem-me logo, é mesmo bizarro.

Quem é que era mais divertido nas gravações?
O: O Rupert Grint obviamente era um dos nossos grandes amigos, porque havia muitas cenas de nós os três, mas era um misto de toda a gente, era divertido no geral.