NiTfm live

Cinema

“Eerie”: o novo filme de terror da Netflix deixou os fãs a dormir de luz acesa

É uma história passada num colégio católico de raparigas que chegou recentemente à plataforma de streaming.
Chama-se "Eerie".

Depois de “Chambers”, a série com Uma Thurman; “A Perfeição”, o filme que foi descrito como “nojento” e que provocava vómitos aos espectadores; e de “Typewriter”, a produção indiana que deixava os fãs inquietos, chegou à Netflix uma nova história de terror que merece ser vista (pelos mais corajosos e fãs do género, claro).

Chama-se “Eerie”, foi realizado por Mikhail Red e é um filme filipino que estreou no final de julho na plataforma de streaming. A história passa-se na Santa Lucia Academy, um colégio católico só para raparigas que serve de cenário para o enredo.

A morte inesperada de uma das alunas, Erika, abala toda a escola. Nos dias que se seguem, muitas das suas colegas passam a dizer que se sentem assombradas pelo fantasma de Erika, o que faz com que a conselheira psicológica Patricia (Bea Alonzo, a grande protagonista) comece a própria investigação sobre o caso.

Por um lado, há suspeitas de que Mother Alice, a líder do colégio, tenha um comportamento demasiado abusivo e severo em relação a algumas estudantes. Por outro, a própria Mother Alice pode não gostar desta investigação de Patricia.

A grande pergunta é: afinal, que “monstro” é que se esconde nas sombras do colégio que está a atormentar as alunas?

O filme estreou originalmente no final de 2018 no Festival Internacional de Cinema de Singapura e desde que estreou na Netflix tem gerado várias reações assustadas por parte dos espectadores no Twitter.

“Gritei três vezes em 20 minutos, e ainda falta uma hora e 20 minutos”, comentou uma fã. “Já vi muitos filmes de terror e os meus padrões são bastante altos mas isto chocou-me mesmo. Definitivamente um dos melhores que já vi”, escreveu outra pessoa.

“Acabei de ver o ‘Eerie’ na Netflix e adivinhem quem é que vai dormir com as luzes ligadas durante uma semana?”, escreveu outra espectadora, entre tantos outros comentários que existem online sobre esta produção.