Cinema

Crítica: “It”, um novo significado para palhaçada

Prepare-se para sustos, arrepios e nós no estômago, cortesia do palhaço medonho de Stephen King.

Pennywise, o palhaço que arruina a fama de todos os outros.

A infância tem o que se lhe diga. Primeiro é o boneco da Michellin. O que é aquilo, é suposto ser fofinho e querido? Não, não é. É feio e ligeiramente escanifobético. Se o visse a meio da noite, numa rua qualquer, mudaria de passeio. Na hora. Depois desse susto, um outro: Pierrot. Quando me presenteiam com a colecção de cromos do palhaço triste, guardo-a bem lá no fundo da última gaveta, longe de tudo.

Michellin e Pierrot, os meus pesadelos estéticos da infância. Uma pessoa cresce e, vá, convive assim-assim com os dois. Sem alegrias nem alergias. São só bonecos, caramba. O medo ganha outro élan e entramos numa outra dimensão, a da racionalidade. Então? Entããããão? Essa é boa. Dou quatro alternativas, só quatro: Reese Whiterspoon com um Óscar de melhor actriz bem seguro na mão direita, apito final do árbitro alemão Markus Merk na final do Euro-2004, fecho das salas de cinema King e ausência do cozido à portuguesa nas listas dos restaurantes entre Junho e Agosto só porque é verão. Qualquer uma destas verdades incontornáveis assustam-me. Muito mesmo, até porque o corpo age por conta própria, sem nos dar cavaco. Por muito que queiramos dar o braço a torcer, é um cocktail explosivo entre pele arrepiada, pêlos dos braços eriçados, frio no estômago e boca seca. What da hell?

Até que entramos na sala de cinema com um balão vermelho na mão e, pronto, está o caldo entornado. Desde o primeiro frame, a música de Benjamin Wallfisch indica-nos perigo a todo o instante e a filmagem de Andy Muschietti deixa-nos colados à cadeira, completamente paralisados. Nem três minutos de filme e já há uma vítima. ‘Tadito do Georgie, irmão mais novo de Bill (Jaeden Lieberher). A culpa é do palhaço Pennywise (o sueco Bill Skarsgard, a segunda escolha após a recusa do inglês Will Poulter por problemas de agenda).

Numa primeira fase, até se parece com o palhaço do McDonald’s. Só que não. Bem vistas as coisas, acumula uma série de defeitos. Quer dizer, poderia ser o Ronald menos o ar afável. Menos aqueles riscos vermelhos do fim dos lábios até à cabeça. Menos aqueles olhos amarelos. Menos tudo. Este palhaço de Stephen King (ah é verdade, este senhor é que é o responsável por esta brincadeira sem graça nenhuma de duas horas-e-tal) é a Reese Whiterspoon e o Markus Merk juntos. Credo.

Segue-se o salto temporal, de Outubro 1988 até Junho 1989. Eeep eeep huraaaay, é tempo das férias de Verão na cidade de Derry. Isto agora vai animar. Ou não. Um grupo de quatro amigos nerds, com um vocabulário puxado para a idade e época, reciclam os livros escolares e planeiam aventuras mil, entre mergulhos na pedreira e passeios de bicicleta. O problema é Bill, que simplesmente não aceita a morte do irmão e dedica o tempo à procura do seu corpo contra o desejo do pai. E, já agora, o problema também é o palhaço, damn it. A coisa, como lhe chamam, acorda de 27 anos em 27 anos e diminui consideravelmente a população da cidade, sobretudo crianças, vítimas flutuantes no fundo de um poço numa casa abandonada. O precioso dado estatístico-temporal é dado por um quinto elemento jovem. Entregue à solidão, por força da falta de entrosamento com os restantes elementos da escola durante o primeiro ano na cidade, Ben entretém-se a conhecer o passado de Derry na biblioteca e descobre uma série de trágicos acontecimentos ao longo das épocas. Scary? Muuuito.

O ziguezague narrativo de Stephen King apresenta-nos então a representante feminina Beverly (Sophia Lillis) e o afro-americano Mike para compor o denominado Losers Club. Sete, ao todo. Sete magníficos? Hope so, senão pobre Derry. Pormenor, todos os actores nascem depois de 2001. Ou seja, putos do século XXI. Terá o maléfico Pennywise caparro para aguentar tanta juventude? Baaaaaah, tudo depende do medo. Se existir, “It” é uma série de murros no estômago. Porque o palhaço nunca nos deixa em paz, aparece sempre no momento mais inoportuno e assume qualquer forma de medo, seja um pai abusivo, uma pintura macaca ou um leproso. Reese Whiterspoon, volta que estás perdoada.

nota NiT: 66%

ficha técnica

realização
Andy Muschietti (Realização)
elenco
Bill Skarsgard (Ator principal), Jaeden Lieberher (Ator principal), Sophia Lillis (Atriz secundária)
Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo