NiTfm live

Cinema

Como Claire Foy se transformou na nova Lisbeth Salander, da saga “Millennium”

“A Rapariga Apanhada na Teia de Aranha” estreia esta quinta-feira, 8 de novembro, em Portugal com a atriz que já foi a rainha de Inglaterra.

A atriz foi a grande estrela de "The Crown".

Em dezembro de 2013, a editora sueca Norstedts Förlag anunciou que estava a preparar um quarto livro da série “Millennium” — os thrillers bestsellers publicados todos depois da morte do autor, Stieg Larsson.

Coube a David Lagercrantz a tarefa difícil de criar uma nova história a partir das notas deixadas por Larsson — a sua ideia era escrever dez livros e já existia bastante material. Lagercrantz teve imenso cuidado para garantir que não havia qualquer fuga de informação.

Não forem entregues os habituais exemplares de avanço aos jornalistas e o livro foi escrito num computador sem ligação à Internet, para que não houvesse quaisquer ataques informáticos para roubar informação. Lagercrantz entregou o texto diretamente à editora, em mãos. Só o próprio processo de escrita do livro parecia um thriller nórdico noir.

“A Rapariga Apanhada na Teia de Aranha” foi publicado em 2015 e o novo filme da saga — depois da trilogia sueca e do filme de David Fincher com Daniel Craig, sobre a primeira obra da história — centra-se neste quarto volume.

Foi realizado por Fede Alvarez (“Não Respires”) e estreia em Portugal esta quinta-feira, 8 de novembro. Claire Foy, a estrela de “The Crown”, é a grande protagonista ao interpretar a sinistra hacker punk Lisbeth Salander — a mesma personagem para que Rooney Mara foi nomeada para um Óscar, e que também tinha sido interpretada por Noomi Rapace.

Claire Foy não viu nenhum dos outros filmes para se preparar para este, revelou à “Variety”. “Acho que fazer isso seria bastante cruel para mim própria.”

O que fez foi ler intensamente os livros de Stieg Larsson e mergulhar na personagem. “Os livros foram a minha Bíblia, e penso que também foram para a Noomi e a Rooney. O que fiz foi mesmo voltar aos livros.”

Foy está bastante transformada para esta personagem: tem a pele mais pálida, uma crista punk, um corpo tatuado e bastante mais musculado. “Tive de treinar bastante para este papel”, revelou. “Tive de fazer bastante trabalho de duplos por isso havia várias lutas coreografadas.”

Apesar das mudanças física, a Lisbeth Salander de Claire Foy tem um visual bem menos agressivo do que a de Rooney Mara e Noomi Rapace. Tem roupas mais normais e práticas, tatuagens e piercings mais minimalistas. Foi uma decisão deliberada da atriz e do realizador.