NiTfm live

Cinema

Brad Pitt diz que é demasiado velho para Hollywood e quer ficar nos bastidores

Apesar de preferir produzir, está num dos filmes mais esperados do verão, "Era Uma Vez em... Hollywood”, de Quentin Tarantino.
Brad quer afastar-se das câmaras.

Aos 55 anos, Brad Pitt é capa da revista “GQ Austrália” de julho/agosto. Na entrevista à publicação, o ator explicou porque se tem afastado cada vez mais do cinema e disse que está cada vez mais confortável no papel de produtor ou atrás das câmaras.

Juntamente com Leonardo DiCaprio, faz parte do elenco de um dos filmes mais aguardados do verão de 2019, com argumento e realização de Quentin Tarantino“Era Uma Vez em… Hollywood” demorou cinco anos a ser escrito e estreia em Portugal a 8 de agosto.

Pitt é dono de uma produtora bem sucedida chamada Plan B. Em 2014, “12 anos Escravo“, co-produzido por ele, foi eleito Melhor Filme na 86.ª edição dos Óscares, depois de já ter vencido o Globo de Ouro e o BAFTA. No momento de receber o prémio, e rodeado pela equipa, o realizador Steve McQueen agradeceu a Brad Pitt, sem o qual “este filme não teria sido feito”.

Na edição deste mês da revista australiana, o ator falou sobre as diferenças entre trabalhar como ator quando era jovem e agora, aos 50 e poucos anos.

“Estou atrás das câmaras, na parte da produção, e gosto muito disso. Cada vez o faço [representar] menos e menos. Acredito mesmo que no fim das contas é um jogo para jovens — não que não haja partes importantes para personagens mais velhas. Apenas sinto que o jogo em si irá mover-se naturalmente. Irá haver uma seleção natural”, admitiu.

Apesar de estar cada vez mais tempo longe dos holofotes, Brad Pitt disse que sua a paixão pelos filmes continua bem viva e que tem muita curiosidade para saber qual será o futuro do cinema diante de tantas plataformas de streaming como Netflix, Amazon e Hulu. O ator acredita que há, no entanto, espaço para todos.

“Estou curioso para ver qual é o futuro e qual a forma que o cinema tomará. Eu realmente gosto dos serviços de streaming, porque vemos mais e mais projetos de qualidade a serem feitos. Estamos a ver mais argumentistas, realizadores e escritores a ganharem uma oportunidade. Isso mostra quantas pessoas talentosas existem”, observou.

Uma dupla incrível.

Durante uma conversa com o jornalista Jake Millar, Pitt falou sobre a parceria com outro ícone de Hollywood, Leonardo DiCaprio. Os dois surgiram na indústria cinematográfica na mesma altura, têm referências idênticas e passaram por experiências similares, mas nunca tinham dividido uma cena.

“O DiCaprio dedica-se realmente e dá tudo de si. Então, sabes que é muito divertido poder trabalhar ao lado de um ator deste calibre. E ele é muito divertido. Ri-me muito com ele. É aquele sentimento de saber que tens o melhor do melhor do lado oposto da mesa, a segurar a cena contigo. Há um grande alívio nisso.”

A história de “Era Uma Vez em… Hollywood” passa-se em 1969, em Los Angeles, Estados Unidos. Leonardo DiCaprio é Rick Dalton, em tempos uma estrela do western televisivo “Bounty Law” que não conseguiu fazer a transição para o cinema e aceita agora todos os papéis secundários que lhe oferecem. Brad Pitt é Cliff Booth, duplo de Dalton e também amigo inseparável.

No meio desta narrativa entra Sharon Tate (interpretada por Margot Robbie), vizinha de Rick Dalton. Esta personagem é real e foi uma das vítimas de um massacre concretizado pelos seguidores de Charles Manson que fez cinco mortos. Ela, atriz, estava grávida de oito meses e meio e era casada com o realizador Roman Polansky. O filme conta ainda com nomes como Al Pacino, Damian Lewis, Dakota Fanning e Kurt Russell.

Para ver já algumas imagens do muito aguardado “Era Uma Vez em… Hollywood”, carregue na galeria.