NiTfm live

Cinema

“Bohemian Rhapsody” é o pior filme dos Óscares

Vem aí a 91.ª cerimónia dos mais importantes prémios do cinema. Os críticos da NiT juntaram-se para fazer o Top 8.
Rami Malek é Freddie Mercury em "Bohemian Rhapsody".

Em 2017, Warren Beatty protagonizou o momento mais insólito da história recente dos Óscares. Quando ele e a antiga colega Faye Dunaway entraram em palco para anunciar o Melhor Filme daquela edição, mencionaram “La La Land: Melodia de Amor”. Mas dois minutos depois foram corrigidos: afinal, tinha sido “Moonlight” o Melhor Filme do ano segundo o júri da Academia.

Já era tarde. A equipa de “La La Land: Melodia de Amor” estava a meio do discurso de agradecimento e teve de ser afastada para o elenco de “Moonlight” subir ao palco do Teatro Dolby, em Los Angeles, nos EUA. A surpresa e o espanto foram gerais, incluindo para o apresentador Jimmy Kimmel, que não conseguiu explicar a situação. Warren Beatty limitou-se a dizer que os envelopes tinham sido trocados e lhe tinha chegado às mãos o do prémio de Melhor Atriz, categoria em que ganhou Emma Stone, precisamente pelo papel em “La La Land: Melodia de Amor”.

Um ano depois, em 2018, a corrida foi renhida entre “Chama-me pelo teu Nome”, “Linha Fantasma” ou “Três Cartazes à Beira da Estrada”. O prémio de Melhor Filme acabou por ir para “A Forma da Água”, a história que Guillermo del Toro queria contar há vários anos — inspirada na sua vida e na relação com a mulher.

Em 2019, há oito filmes nomeados para a mais importante categoria dos Óscares. “Roma” representa todo o poder que a Netflix conquistou nos últimos anos. “Black Panther” é o triunfo da Marvel ao tornar-se a primeira história de super-heróis a ser nomeada para Melhor Filme.

Spike Lee (“BlacKkKlansman: O Infiltrado”), Adam McKay (“Vice”) e Yorgos Lanthimos (“A Favorita”) são realizadores conceituados — embora em diferentes fases da carreira — cujos novos filmes chegaram à última etapa do derradeiro prémio do ano. Há ainda a estreia de Bradley Cooper como realizador em “Assim Nasce uma Estrela”, num papel que ele próprio tinha recusado quando lhe fora oferecido alguns anos antes pelo realizador Clint Eastwood.

Viggo Mortensen e Mahershala Ali dividem o protagonismo naquele que é possivelmente o filme mais discreto da lista (“Green Book — Um Guia para a Vida”). Tem sido uma surpresa nos restantes prémios deste ano e foi elogiado por toda a crítica especializada. E há também “Bohemian Rhapsody”, o filme que conta a história dos Queen e do frontman Freddie Mercury, que foi, sem dúvida, um dos mais populares do ano.

A 91.ª cerimónia dos Óscares acontece na madrugada deste domingo, 24 de fevereiro. Vai acontecer, como tem sido habitual, no Teatro Dolby, em Los Angeles, nos EUA. Em Portugal pode acompanhar a emissão em direto no canal Fox. Recorde os nomeados de todas as categorias.

Os críticos da NiT reuniram-se para escrever sobre as oito produções nomeadas para Melhor Filme nos Óscares deste ano. As notas das críticas originais não correspondem às deste artigo, porque estas são o resultado de uma média definida pela redação. Carregue na galeria para ler o que eles têm a dizer.