Lojas e marcas

Há um novo paraíso no Instagram para as fãs de roupa vintage

A Libra à Porter chegou à plataforma no final de maio para vender achados encontrados em feiras e mercados em segunda mão.
Tudo vintage.

Beatriz Teixeira começou a comprar roupa vintage durante os tempos de liceu, quando visitava mercados e feiras. Como tinha jeito para escolher, tornou-se numa inspiração para as amigas e colegas de escola, que lhe pediam conselhos e peças emprestadas, e foi assim que decidiu lançar o seu próprio negócio.

Começou por vender através de uma página Facebook e “sempre correu muito bem”: “As peças voavam e dava para fazer um dinheiro extra”, revela à NiT a empreendedora de 26 anos. Mais tarde, passou as vendas para o OLX, mas achou que a app não tinha a preocupação pela estética e que o público não era bem o dela. 

Assim, o passo natural acabou por ser o de criar uma página de Instagram, que lançou no final de maio, por sugestão da irmã (que tem na plataforma uma marca vintage desportiva chamada Lola Sports). O projeto chama-se Libra à Porter e vende “de tudo um pouco”, desde roupa em segunda mão que pouco vestiu e não quer que fique “a ganhar pó no armário” a peças únicas que encontra em mercados e feiras.

“Sempre gostei de moda, do vestir e despir, do comprar, do renovar o armário e partilhar com as amigas os meus achados em mercados e feiras. Já no liceu era meio obcecada com ter coisas diferentes e sempre gostei da ideia de vestir algo que tem uma história. Isto é só uma continuação dessa dinâmica, mas agora no Instagram,  com um público que vai chegando e crescendo à medida que partilho mais e mais peças”, acrescenta.

“As calças de cintura subida e os biquínis vintage são as que têm mais saída”, revela Beatriz, que trabalha em comunicação e estudou jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social, em Lisboa. O objetivo da Libra à Porter é apelar à importância de poupar os recursos do planeta e apostar no vintage e nas peças em segunda mão antes de optar pelas fast fashion.

Os preços variam entre os 4€ e os 20€: “Penso sempre no preço original, para que a venda possa compensar de alguma forma, mas também tento sempre responder à pergunta ‘eu compraria por este preço?’. Quero que seja um ‘negócio’ sustentável, mas também quero praticar valores justos e por isso acho que, no geral, tenho preços muito acessíveis”, conta-nos.

As peças que vão lá parar são roupa que não usa ou que não veste há mais de um ano. “É por isso que a maioria das minhas peças está em boas condições, porque são maioritariamente coisas que não tiveram uso, fruto de compras impulsivas”, conclui. 

A seguir, carregue na galeria para conhecer algumas das propostas da Libra à Porter.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT