Restaurantes

Senhor Miyagi: o restaurante asiático da Margem Sul que roubou o meu coração

Das gyozas ao fry rice, uma repórter da NiT fala-lhe desta bonita (e deliciosa) história de amor.
A decoração transporta-nos para o ambiente asiático.

Tinha 25 anos. Pode parecer uma idade um pouco tardia para começar uma relação como esta, porém, como os meus pais bem dizem, sempre fui muito esquisita. Nada me agradava, nem estava aberta a novas aventuras. Mas há um dia em que tudo muda. Estávamos em 2018, andava a fazer scroll na redes sociais e deparei-me com ele. Não digo que foi amor à primeira vista — apenas tive uma vontade incontrolável de conhecê-lo. A medo, mas com vontade de arriscar, marquei uma hora e, em poucos segundos, percebi que era um amor para a vida toda. Provei comida asiática pela primeira vez no Senhor Miyagi e ele roubou o meu coração.

É na zona velha do Seixal, mais concretamente no número 20 da Praça da República, que está instalado o meu restaurante favorito da Margem Sul. Com 100 metros quadrados e capacidade para 43 pessoas, é preciso reservar uma mesa com vários dias de antecedência. Só nos chateamos quando não há espaço para mim — mas fazemos as pazes rapidamente.

View this post on Instagram

Time to eat ⏰🙏🏽⛩🎏 #senhormiyagi #seixal #dinner #restaurant #food #decor #interiordesign #neon #light #street #art #lisbonsouthbay #portugal

A post shared by Senhor Miyagi Seixal (@senhormiyagi_seixal) on

Além de lá ir praticamente todos os meses, por vezes mais do que uma vez, sempre que se fala de marcar um almoço ou jantar com amigos, o meu instinto é sempre o mesmo: sugerir o Senhor Miyagi. Sim, é o que está a pensar: o restaurante tem o mesmo nome que o mestre do “Karaté Kid”. Adoro este filme desde miúda. Era o destino, eu disse-vos que se tratava de uma bonita história de amor.

A comida portuguesa não foi colocada de lado. Como filha de pais alentejanos, lá conseguia eu ignorar o pão e os enchidos, desde o queijo ao presunto. Mas não há traição. Há espaço para ambos os tipos de comida no meu coração (ou, neste caso, estômago, mas vamos voltar ao discurso romântico).

Sou uma daquelas pessoas que não sente muita dificuldade em escolher aquilo que quer comer. Contudo, tenho um grave problema: quando adoro uma entrada ou um prato, não consigo pedir outra coisa a partir daí. Eu sei, julguem-me. Juro que tento que seja diferente, mas simplesmente não consigo. Mesmo que vá decidida em dizer outro nome que não o o habitual, cedo no último segundo.

Portanto, começo sempre a refeição com as gyozas vegetarianas (quatro peças por 4,80€) e as gyozas de porco fritas (5€). O Eby Fry — camarão tigre panado à japonesa (duas peças são 4,80€ e quatro, 8€) — também está quase sempre na mesa. Calma, o amor é enorme mas o estômago — lá estou eu com a linguagem pouco romântica — nem tanto.

Peço tudo isto para partilhar, adivinhem, com o meu namorado. Ele não só não tem ciúmes da minha relação com o Senhor Miyagi, como apoia. Brincadeiras à parte, este é um dos nossos espaços favoritos e foi lá que brindámos a várias conquistas.

Para prato principal, enquanto eu opto sempre pelo fry rice (arroz frito com frango, miolo de camarão, chouriço, ovo, mix de vegetais e molho de soja, que custa 9,50€; o meu namorado é fã de ramen, especialmente do curry ramen frango (sopa japonesa com peito de frango, pepino, rebentos de soja, agrião, lima e molho de caril de coco e citronela), que custa 10,50€. Ele domina a arte dos pauzinhos e faz um brilharete. Já eu acabo sempre por pedir os talheres dos comuns mortais. Ainda assim, fica aqui registado: um dia vou conseguir. 

Para acompanhar, a sangria de lambrusco, feita com frutos vermelhos (17€), ou a Miyagi branca, com lichias e lima (14,90€), costumam estar entre as opções. Mas também há chá japonês (entre 2,50€ e 3,50€), cervejas (2€ a 3€)  e cocktails especiais (5€ a 5,50€.

Ainda não acabou. Lá me esquecia das sobremesas? A minha favorita é a tarte torrão de alicante com chocolate e vinho do Porto (3,50€). Numa palavra: de-li-ci-o-sa.

Podia dizer-vos que apenas é o meu restaurante favorito. Mas é mais do que isso. O Senhor Miyagi proporciona-me uma experiência sempre que lá vou. Desde a decoração ao estilo das ruas japonesas, com placas cheias de néons, à música harmoniosa, passando pelos sabores que nos transportam para a Ásia, parece ser tudo pensado ao pormenor. Há um extra: fica localizado na zona ribeirinha da cidade histórica do Seixal. E eu gosto tanto dele por tudo isto. É por isso que tenho vontade de voltar todos os dias — eu bem disse que era um amor para a vida toda. Não foi à primeira vista, mas na primeira dentada soube que era para sempre.

LOCALIZAÇÃO, CONTACTOS E HORÁRIOS

morada
  • Senhor Miyagi [ver mapa]
    Praça da República, 20, Seixal
    2840-468 Seixal
    localização
    Grande Lisboa
site e redes sociais
horários
  • Segunda-feira a domingo das: 12:30
  • às: 14:15
  • e das: 19:30
  • às: 22:15

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT