gourmet e vinhos

Filipa Gomes: “Para muita gente, fazer pão em casa vai tornar-se um ritual”

A cozinheira mais rockabilly da televisão partilhou uma receita com quatro ingredientes que se tornou viral: o pãodemia.
Lançou a receita do pãodemia e tornou-se viral.

Filipa Gomes já era uma habitué do Instagram com a partilha de várias receitas criativas. No início de março, ainda antes do confinamento obrigatório, usou as redes sociais para ensinar a fazer pão. Como é costume na cozinheira mais rockabilly da televisão (e não só), tudo muito simples e sem grandes preocupações. Tem apenas quatro ingredientes e não precisa de amassar. Motivos mais do que suficientes para se tornar viral e para isso também ajudou o nome que lhe deu: pãodemia.

“Acho que para muita gente, [fazer pão] vai tornar-se num ritual de fim de semana”, diz Filipa Gomes em entrevista à NiT. Deu o mote para muitas pessoas que achavam que seria tão complicado como preparar um bife wellington ou um croquembouche. “É a receita de pão mais básica da vida e dá uma satisfação muito grande. Ou seja: pouquíssimo trabalho para uma grande recompensa.”

Recebeu várias mensagens de pessoas que tinham experimentado fazer pão e vê também que é uma boa prática que esta pandemia trouxe. “Acho maravilhoso por muitas razões: porque nos conforta o estômago e a alma; porque nos mantém ativos e nos torna auto-suficientes; porque evita idas extra à rua; e porque nos leva de regresso às origens para recuperar hábitos perdidos.”

É fácil, sim, mas claro que existem erros básicos que muitos estão a fazer, como o de usar fermento para bolos em vez de um fermento de padeiro. “São completamente diferentes. O fermento de padeiro são organismos vivos que se alimentam da farinha e libertam dióxido de carbono. O fermento de bolos também liberta dióxido de carbono, mas atua quando está em contacto com líquidos e faz uma ação a curto prazo”, explica Filipa Gomes.

Uma das soluções para conseguir superar a falta de fermento de padeiro que se tem verificado em alguns supermercados é preparar uma massa mãe. “Recomendo totalmente. É o que tenho usado em casa agora. E, aliás, essa é a forma ancestral de se fazer pão. Mas é um processo que requer mais tempo, atenção e conhecimentos.”

View this post on Instagram

Agora sim, receita dos queques mais fofinhos de sempre, que fiz com a ajuda de Miss Julieta 🌈♥️ para além de fofos, são deliciosos, húmidos, fáceis e divertidos. Va, peguem nos vossos coelhinhos e mãos à obra. Queremos ver o resultado! Para os queques: 1/2 chav de @oleofula (120ml) 1 cenoura media (150gr antes de descascar) 1 ovo e 1 gema 1 chav de farinha (140gr) 3/4 chav acucar (150gr) 1 boa pitada de canela 1/2 c chá de fermento Para a cobertura: 1 embalagem de queijo creme 1/2 chav de acucar em pó (Ver alternativas no fim) Manualidades: Formas de papel, pape, tesoura, lápis, palitos, cola Num copo alto juntar o @oleofula (usei de girassol mas pode ser de amendoim ou até os Nativos de côco ou grainha de uva) a cenoura, e o ovo + gema. Triturar até estar super cremoso. À parte juntar a farinha, o açúcar, a canela e o fermento. Misturar e juntar os líquidos. Envolver bem, sem bater. Deitar nas formas e levar ao forno Pre-aquecido nos 175° por 15-20 minutos. Depois de cozidos, deixar arrefecer. Preparar a cobertura, juntando o queijo creme e o açúcar. Bater até ficar cremoso. Deixar no frio até ser hora de usar. Depois das orelhas feitas e a cara dos coelhos desenhado, cobrir com o creme e colocar as orelhas. Et voila! Queques prontos a ser devorados! Boa Páscoa a todos. Quero ver esses coelhinhos! ♥️ Notas: 1. Podem facilmente dobrar a receita. Nesse caso não usem 2 ovos e 2 gemas e sim 3 ovos no total. 2. Coberturas alternativas q fazem o mesmo efeito visual – merengue (clara de ovo + açúcar) ou chantilly (natas + açúcar)

A post shared by Filipa Gomes (@_filipagomes_) on

Outras das dicas essenciais é a temperatura do forno, que tem de estar alta antes de colocar o pão no interior. Na receita (que também deixamos no final do artigo), usa uma panela de ferro, mas existem alternativas se não tiver. “Qualquer recipiente que consiga produzir efeito estufa, funciona. Até pode ser uma forma de bolo bem tapada com papel vegetal.”

Com esta quarentena tem noção de que as pessoas têm passado muito mais tempo na cozinha. “Mais do dobro do tempo. Antes só faziam o jantar. Agora fazem o pequeno-almoço, almoço, lanche e o jantar.” Acredita que o foco nos tachos, colheres de pau, farinha e açúcar poderá dar origem a vários pequenos negócios no pós pandemia. 

“A quarentena vai certamente despertar paixões e talentos escondidos e o período seguinte de incerteza e o desemprego também pode levar a que as pessoas procurem alternativas. Os períodos de contenção podem ser muito produtivos para a criatividade.”

View this post on Instagram

Estão a ver a salada de atum com feijão frade? Isto é quase isso mas em croquete! Ou hamburger. Ou disco voador, ou o que lhe quiserem chamar 😉 Fica um petisco, é fácil e os miúdos adoram. Pelo menos os meus 😅 Aqui fica a receita e nos stories podem ver o passo a passo. 1/2 cebola 1 mão cheia de salsa 1 ovo M Sal&pimenta a gosto 1 lata média de atum @bompetisco em óleo ou azeite (200gr) 1 lata pequena de feijão frade cozido (são 260gr de feijão escorrido, caso queiram cozer o vosso próprio feijão) 1 splash de vinagre 1 fio de azeite 1 chávena de pão ralado Óleo ou azeite qb para fritar No processador juntam a cebola, a salsa e o ovo, sal e pimenta e trituram. Depois o atum, o feijão bem escorrido, um splash de vinagre e um fio de azeite e trituram. Depois o pão ralado necessário para ficar uma massa coesa. Mas atenção! Entre 2 a 4 colheres de sopa é suficiente. Mais que isso fica muito seco. Misturam bem e moldam 15 bolas ou discos. Passam por pão ralado e levam a fritar numa frigideira com pelo menos 1 dedo de altura de óleo (ou azeite). (Também da para levar ao forno a assar a 180°, por 15-20’) Quando já estiver bem dourado de um lado, viram para fritar do outro. Conforme ficam prontos, coloquem sobre papel absorvente. E toca a servir com gomos de limão para refrescar. Fica óptimo com maionese ou iogurte natural com raspas de limão. Se for uma refeição, sugiro arroz de grelos de tomate ou de feijão, ou uma salada de folhas verdes. Se fizerem, mostrem-me tudo que eu quero ver esse petisco. #pub #receitascommarca

A post shared by Filipa Gomes (@_filipagomes_) on

Filipa continua a usar o mesmo tipo de alimentos que faziam parte da rotina. “Uso os mesmos que já usava antes, mas em menores quantidades. Tenho tentado fazer receitas o mais simples possíveis. Não abro mão dos legumes e vegetais, mas talvez agora existam mais hidratos de carbono à base de farinha.”

Tem estado mais tempo por casa, sempre a criar coisas novas e com os dois filhos, com um e quatro anos. “Adorava estar a conseguir ter só tempo de qualidade com eles. Mas temos de ir coordenando com o trabalho, a casa e a faxina. Não deixa de ser um privilégio podermos estar juntos e vê-los crescer, principalmente na fase tão maravilhosa em que os meus filhos estão.”

Filipa Gomes continua a partilhar várias receitas no Instagram, mas também pode acompanhar alguns dos programas que já fez para o canal 24Kitchen.

Veja como pode preparar o pãodemia.

Do que precisa

3 chávenas de farinha
1 chávena e ½ de água 
1 colher de café de fermento de padeiro seco
1 colher de chá de sal

Como se faz

Numa taça misture tudo com uma colher de pau. Deixar levedar entre oito a 24 horas. Depois desse tempo, coloque a massa num papel vegetal com farinha. Faça a forma de uma bolo e deixe as costuras para baixo. Pré-aqueça o forno com uma panela de ferro no interior. Coloque a massa dentro da panela tapada e leve ao forno a 250 graus durante 30 minutos. Passado esse tempo, deixe por mais uns 10 minutos a tostar, mas sem a tampa.

Carregue na galeria para conhecer mais receitas de pão que pode fazer em casa.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT