NiTfm live

Restaurantes

NiT elege a personalidade do ano

2017 foi intenso, com milhares de notícias de lifestyle em Portugal. Mas entre tantos chefs, músicos, atores ou empresários, houve um homem que se destacou. Claramente.

Tem dois segundos para adivinhar.

Luibomir, Lubomiro, Stassinic, Sanitic. Na verdade, escreve-se Ljubomir Stanisic e lê-se Lhubomir Stanisich mas isso pouco importa. Mesmo que sejam necessários mais de 30 segundos para tentar pronunciar o nome, toda a gente sabe quem é o chef jugoslavo sem travão nas palavras que em 2017 se transformou numa espécie de estrela rock’n’roll da televisão portuguesa.

Já não precisava de apresentações nas cozinhas dos restaurantes mas “Pesadelo na Cozinha”, da TVI, deixou o País quase inteiro a adorá-lo (e as revistas de social a encherem páginas de polémicas sobre ele). O Bistro 100 Maneiras foi eleito pela revista “Monocle” o melhor restaurante do mundo, vem aí um espaço renovado no Bairro Alto, teve um projeto inovador no Douro, foi o primeiro chef não-Michelin a preparar refeições no Comboio Presidencial, entre tantas outras coisas. É, por isto e mais, a personalidade do ano para a NiT. Um título que Stanisic aceita ao estilo dele — como seria de esperar.

“Obrigado. Honestamente não é algo a que dê muita importância. Já estive no topo, a sentir-me o maior, e já estive no fundo, quando ninguém te atende sequer o telefone”, diz à NiT a partir de Itália, onde está de férias.

O balanço de 2017 é, obviamente, “ótimo”, e ele explica porquê.

“Nos meus restaurantes, continuamos a inovar: novos menus, novos cocktails, inaugurámos este mês as novas montras do Bistro. Começámos as obras do meu novo restaurante, um projeto com que já andamos a sonhar há anos. No Six Senses Douro Valley, abri o primeiro restaurante vegetariano de um chef em Portugal, com um feedback incrível. Foi um grande ano.”

Aos 39 anos, Stanisic pode dar-se ao luxo de se focar naquilo que realmente lhe dá prazer: criar na cozinha. E continua sem revelar se está disposto a fazer uma segunda temporada de “Pesadelo na Cozinha”. A longo prazo não se imagina a fazer nenhuma nessas coisas. A vida ideal seria estar numa aldeia no meio do nada onde cada pessoa contribua com aquilo que sabe fazer.

Enquanto isso não acontece, a NiT recorda o ano maravilhoso de Ljubomir Stanisic.

Em agosto, no Bistro.

Maio de 2016: o chef do tão aguardado “Pesadelo na Cozinha”

A TVI anuncia a adaptação de “Kitchen Nightmares”, o conhecido programa conduzido por Gordon Ramsay, produzido em Portugal pela Shine Iberia. Ao mesmo tempo abre a fase de candidaturas e sabe-se que Ljubomir Stanisic será o chef responsável por ajudar restaurantes em dificuldade. 

Setembro a dezembro de 2016: gravações de “Pesadelo na Cozinha”

Restaurantes à beira da falência, falta de higiene, proprietários que não sabiam gerir um negócio. Stanisic e a equipa de produção passam uma semana em cada espaço, tentando perceber o que estava mal, a fazer obras, a mudar menus e a ensinar ferramentas para que todos melhorassem.

50 pessoas, desde a decoração às câmaras, estão envolvidas na produção. Não há guião, no dia em que vai conhecer um espaço novo o chef recebe uma mensagem no telemóvel apenas com a morada. Tudo para que o processo seja espontâneo. Ele grita tanto como beija e abraça. Transforma-se numa estrela.

Janeiro de 2017: um jantar de Natal atrasado

Burek, cevapi, sarma e kaymak. O Natal no Bistro 100 Maneiras celebra-se no início do ano. A 6 de janeiro o restaurante recebe um jantar especial inspirado nas tradições jugoslavas, de onde o chef é natural. Não há bacalhau cozido, tronco de Natal ou bolo-rei. Come-se pão flor, burek, uma tarte de massa folhada com carne picada, kaymak, um creme de leite acompanhado por pão, stelja, presunto de ovelha, salada de couve e iogurte, spanski vetar, um bolo em camadas com frutos secos.