NiTfm live

restaurantes

Arkhe: a comida vegetariana e vegan também pode ser chique

É o novo restaurante de Santos, em Lisboa. O chef passou por vários países e isso reflete-se na ementa.

João Ricardo saiu de São Paulo, no Brasil, há mais de 10 anos. O objetivo era ficar apenas seis meses a estagiar na Suíça, onde tinha conseguido uma bolsa através de uma pós-graduação em cozinha. Acabou por percorrer restaurantes por toda a Europa, antes de ser chef do Fiveelements, em Bali, um dos espaços vegan mais conhecidos da Indonésia. Agora está em Portugal, onde, desde 6 de janeiro, que tem um restaurante em Lisboa: o Arkhe, dedicado à cozinha vegetariana.

“No Fiveelements tinha vários clientes portugueses que me diziam que em Portugal faltava algo assim, com pratos mais cuidados só com a utilização de legumes e vegetais. A ideia ficou-me na cabeça algum tempo e decidi avançar”, explica à NiT João Ricardo, 32 anos. Esteve nos últimos cinco anos na Indonésia, mas desde a erupção do vulcão Agung, no final do verão de 2017, que a situação se complicou.

“O turismo caiu muito e decidi vir para Portugal.”

Quando chegou a Lisboa, com a mulher e o filho, não conhecia ninguém, mas não demorou muito até criar um projeto. “Comecei a fazer jantares pop up 100% vegan n’A Sociedade.”

Fez mais de 12 sessões, todas esgotadas, usando as técnicas que aprendeu ao longo da carreira. “Trabalhei seis anos com cozinha clássica francesa, mas também no Joia, o primeiro restaurante vegetariano em Itália a ganhar uma estrela Michelin.” Inglaterra e Suíça foram outros dos países por onde passou.

No novo Arkhe só vai usar produtos da época e segundo as estações. “85% do que usamos é biológico e vamos muitas vezes comprar o que precisamos ao Mercado da Ribeira, sempre produtos nacionais.”

O blini de trigo sarraceno com puré de aipo, pesto também de aipo, maçã verde e sementes de mostarda (7€) é uma das opções que poderá experimentar nestes primeiros meses meses do restaurante.

Vai ter pena de estragar o prato. O mesmo vai acontecer com o gratin de batata, com creme de couve flor, molho bordelaise, abóbora assada, queijo da Serra e pesto de nozes (14€). O creme de topinambur, uma raiz, com café (4€) é outra das sugestões. Para a sobremesa, experimente a receita que junta pêra, pranilé de amêndoa, chocolate e redução de laranja (6€).

O Arkhe esteve em obras durante quatro meses e fica no lugar do antigo Pachamama, no Boqueirão do Duro, em Santos. O restaurante tem capacidade para 42 pessoas. João quis algo minimalista para a decoração. “Aproveitámos os arcos do espaço, colocámos algumas plantas e deixámos as paredes antigas.”

E agora a pergunta por que tanto espera: o que significa o nome do restaurante? “Arkhe é uma palavra do grego antigo que quer dizer começo, início, fazer algo de novo. Este restaurante é isso mesmo, um novo começo com a minha esposa.”

Quem manda nisto tudo?

Nome: João Ricardo
Idade: 32 anos
Prato favorito: gnochi de batata e abóbora
Maior guilty pleasure: creme brûlée de castanha
Convença-nos a visitar este espaço: “É um restaurante onde as pessoas se vão sentir felizes e quer voltar várias vezes.”

Carregue na galeria para saber mais sobre o novo Arkhe.

localização, contactos e horários

morada
  • Arkhe [ver mapa]
    Boqueirão do Duro, 46, Chiado, Lisboa
    1200-163 Lisboa
    localizações
    Lisboa, Santos
site e redes sociais
horários
  • Das: 19:00
  • Às: 23:00
  • domingo das: 12:30
  • às: 17:30