NiTfm live

gourmet e vinhos

A história da vegetariana que comeu um hambúrguer e passou a criar porcos

Tammi Jonas não comia carne desde os 19 anos, depois de ler um livro. Com a gravidez do terceiro filho tudo mudou.
Tammi Jonas tem 49 anos.

Durante 30 anos, Tammi Jonas não comeu carne de qualquer animal. A norte-americana adotou uma alimentação vegetariana na adolescência, mas aos 49 anos tudo mudou quando comeu um hambúrguer. Agora cria porcos de forma sustentável nos Estados Unidos — e também já não tem qualquer problema em comer carne regularmente.

Vive desde os anos 90 com o marido, Stuart Jonas, em Victoria, na Austrália, local onde montou uma empresa de criação de porcos. Quem a vê agora no Instagram rodeada de fotos com várias peças de porco não diria que esteve três décadas a seguir uma rigorosa alimentação vegetariana.

Quando tinha 19 anos, leu um livro de Peter Singer, “Animal Liberation”, originalmente publicado em 1975. “Ele detalhou o tratamento de porcos e aves de uma maneira tão agressiva que eu simplesmente não conseguia, em consciência, continuar a comer carne. A minha resposta foi imediata: não quero continuar a participar no tratamento de animais desta maneira e a única maneira de o fazer é parar de comer carne”, explicou ao jornal “New York Post”.

Seguiram-se anos de vegetarianismo ao mesmo tempo que criava dois filhos. Contudo, ao terceiro tudo mudou. Tammi Jonas ficou com uma crise de anemia por causa da gravidez e a quantidade de suplementos que tomava e a alimentação vegetariana que fazia não estavam a resolver o problema. “Um hambúrguer conseguia consertar isto”, pensou.

Começou por voltar a comer carne bovina e mais tarde de cordeiro. Aos poucos, a de porco e aves também passaram a fazer parte da sua dieta. Não foram apenas os hábitos alimentares que alterou, já que abriu com o marido uma quinta em Victoria, a Jonai Farms, onde produz porcos de forma sustentável.

São criados de forma sustentável

“Os porcos são os mais mal tratados no sistema industrial. Eles sofrem muito stress e, quando criámos a quinta, queríamos fazer parte deste sistema para que não sentissem medo ou dor no momento da morte.”

Tammi criticava a forma como os animais eram tratados quando estavam a ser levados para os matadouros e foi isso que quis alterar neste projeto familiar. “Sempre achei imoral tratar os animais com crueldade, mantê-los em gaiolas e não permitir que sejam criados ao ar livre, onde podem respirar ar fresco.”

O marido ficou encarregado de toda a infra-estrutura. Já Tammi aprendeu do zero como criar os animais. Apesar da mudança, continua a apoiar os que promovem o vegetarianismo, bem como as iniciativas que combatem o impato no ambiente e alterações climáticas.

Os animais não são mortos por Tammi. São enviados para um matadouro próximo. “Sinto-me mais tranquila a comer a carne quando sei que eles não tiveram medo ou dor.” Da Jonai Farms são depois criados enchidos e peças inteiras de porco.