NiTfm live

Cafés e Bares

A Padaria Portuguesa está em risco de fechar — segundo um dos donos da empresa

Nuno Carvalho escreveu uma carta aberta ao ministro Pedro Siza Vieira onde mostra as suas preocupações com o negócio.
Tem agora serviço de mercearia.

Nuno Carvalho é sócio-gerente d’A Padaria Portuguesa e escreveu uma carta aberta ao ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, mostrando as suas preocupações com o futuro da empresa, admitindo mesmo que esta possa fechar permanentemente face à pandemia do novo coronavírus.

“Perante uma inesperada e abrupta quebra de faturação, pela primeira vez na história da nossa empresa, as receitas deixaram de ser suficientes para cobrir os custos operacionais e, claro, os encargos financeiros. Mantendo-se este cenário, já no próximo mês não teremos capacidade financeira para pagar salários aos mais de 1200 colaboradores”, refere Nuno Carvalho na carta, citada pelo “Eco”.

Tudo começou a 13 de março, uma sexta-feira, em que o negócio registou quebras de 50 por cento. Já desde a declaração do estado de emergência, no dia 18 do mesmo mês, as quebras são, de acordo com o sócio-gerente da empresa, superiores a 60 por cento.

“Se por um lado estes números são positivos por representarem uma manifesta adesão da população à necessária quarentena, por outro lado, numa perspetiva empresarial, são números verdadeiramente desastrosos e que põem em causa a viabilidade do negócio e comprometem, já no curto prazo, a resposta aos compromissos com os colaboradores, com os fornecedores e até com o próprio Estado.”

De acordo com Nuno Carvalho, as medidas apresentadas pelo Governo para o setor da restauração são “bem intencionadas, [mas] não resolvem os problemas urgentes que as empresas enfrentam”.

Segundo o sócio-gerente d’A Padaria Portuguesa, as regras do lay off simplificado são tudo menos simples, as linhas de crédito têm spreads demasiado elevados e a burocracia do processo de candidatura é demasiado complexa e demorada.

Além do melhoramento de todas estas medidas, o gestor insiste que é essencial “injetar capital fresco de imediato nas empresas e confiar nos empresários que têm acrescentado valor ao País e sempre têm sido responsáveis nos seus compromissos e obrigações”.

Esta segunda-feira, 23 de março, A Padaria Portuguesa anunciou nas suas redes sociais que, além dos produtos habituais, tem agora disponíveis nas suas 61 lojas vários produtos de mercearia.