Cafés e Bares

No Hand Go é comer e andar

Há pizzas, crepes, baguetes e sumos novos nas ruas do Porto.

Foto de ES

O Hand Go podia ser a última novidade no centro de Madrid, mas não é. Foi ao lado de um dos mais emblemáticos monumentos do Porto que, a 12 de setembro, abriu um novo espaço de grab and go ideal para comer enquanto se passeia pela cidade. Chama-se Hand Go.

Hugo Pereira, licenciado em Biologia, começou a pensar neste negócio quando há três anos se mudou para Madrid. Como tinha pouco tempo livre, as refeições eram sempre feitas a correr e acabava sempre por ir a restaurantes de fast food pouco saudáveis. Os custos elevados para abrir um negócio semelhante na capital espanhola e a saturação do mercado desviaram-no para o Porto — ele nasceu em Marco de Canavezes.

Uma análise de mercado revelou que aquela era a cidade perfeita para o negócio. Os turistas, na sua maioria vindos de Espanha, fazem visitas rápidas e procuram aproveitar ao máximo o pouco tempo que têm. Por outro lado, os portuenses têm poucas opções de restaurantes onde podem comer rapidamente e de forma saudável.

Um dos problemas dos espaços de grab and go é a a habitual “falta de qualidade da comida rápida”, refere Hugo. A Hand Go tem um menu com opções mais saudáveis: produtos frescos e sem qualquer vestígio de fritos.

“As nossas mesas são os bancos dos jardins e as escadas espalhadas pela cidade”, explica Hugo Pereira à NiT

O local ideal não foi difícil de encontrar. O Hand Go está a poucos metros da Torre dos Clérigos e a meio do percurso da linha 22 do elétrico, que percorre a zona turística entre o Carmo e a Batalha. A rua, onde não há trânsito, é ideal para passar, pegar e andar. O espaço tem apenas um pequeno balcão corrido e não existe qualquer mesa ou cadeira.

“As nossas mesas são os bancos dos jardins e as escadas espalhadas pela cidade”, explica Hugo Pereira à NiT.

Ao balcão servem-se pizzas de figo e presunto ou cogumelos e trufa; crepes (doces e salgados), baguetes, saladas e sumos naturais. E há sempre opções saudáveis — a manteiga, o queijo e o leite são todos magros —, vegetarianas e sem glúten.

Os objetivos de Hugo Pereira para o seu Hand Go — mais duas lojas no Porto, Braga, Lisboa e eventualmente Madrid — são traçados a longo prazo. No entanto, a ambição depende dos números.

“Eu sei quantas fatias de pizza tenho que vender por dia e quanto vou gastar. Quero manter a qualidade enquanto otimizo processos e só avanço para mais lojas quando tudo estiver calculado e esquematizado”, diz à NiT.

Para breve está também um sistema de encomendas através de uma aplicação móvel própria. No raio de cinco quilómetros, a comida chega ao cliente onde quer que ele esteja, no máximo de 30 minutos.

Carregue na imagem acima para conhecer o espaço e algumas das coisas que pode provar no Hand Go.