Back in Town

“O risco de um sismo em Lisboa é de 100%. Só não sabemos a data”

O investigador Mário Lopes reuniu-se com os deputados da assembleia municipal para discutir o problema. Em entrevista à NiT, descreve a atual legislação como criminosa.

Estamos sobre um barril de pólvora prestes a explodir. A metáfora é de Mário Lopes, especialista português em prevenção sísmica há mais de 30 anos. Esta quarta-feira, 4 de janeiro, o professor do Instituto Superior Técnico teve o primeiro de uma série de encontros com os deputados da Assembleia Municipal sobre o risco sísmico em Lisboa. Em entrevista à NiT, deixa o alerta: se se repetisse o terramoto de 1755, um terço de Lisboa ficaria destruída. E nós não estamos a fazer nada para resolver o problema.

Entre 17 e 27 mil mortos. Os números resultam de uma investigação de Maria Luísa Sousa Sotto-Mayor e foram apresentados por Mário Lopes na reunião com a Assembleia Municipal. É um cenário pessimista mas plausível: Lisboa não está preparada para um sismo.

Para perceber o grau do problema é necessário começar por perceber que o impacto de um sismo a nível material e humano tem de ter em consideração dois factores: as características do edifício e o tipo de solo. “Os solos mais moles tendem a amplificar o movimento sísmico da rocha para a superfície”, explica à NiT Mário Lopes, 57 anos. “Mas há outro factor mais importante ainda: o tipo de construção.”

Até 1958, não havia qualquer regulamentação sísmica na construção dos edifícios. Depois vieram as alterações à legislação, mas isso não resolveu necessariamente o problema.” Em primeiro lugar, não há qualquer exigência para as construções anteriores à década 60. Em segundo lugar, o Estado não verifica se a regulamentação é ou não cumprida.

tags: lisboa, sismo
Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo